Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » » Leonardo Stoppa afirma que o "Moro vem sendo pago pelos maiores inimigos de Lula" e é próximo do PSDB

O programa Léo ao Quadrado desta terça-feira (22) destacou as arbitrariedades do judiciário brasileiro que se intensificaram com o Estado de exceção. O apresentador Leonardo Stoppa destaca que o juiz Sérgio moro, por conta da sua proximidade com a alta cúpula do PSDB, não deveria julgar o ex-presidente. "Moro vem sendo pago pelos maiores inimigos de Lula", denuncia.
O ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo (PSDB-MG), acusado de envolvimento em esquemas de peculato e lavagem de dinheiro, pode ser preso a qualquer momento, pois todos os recursos para mantê-lo em liberdade foram esgotados. Na opinião de Stoppa, nada irá mudar. "Me recuso a debater antes dessa prisão efetivar-se, alguma coisa pode acontecer e ele não será preso. Eduardo Azeredo sabe de muita coisa, foi, inclusive, presidente do PSDB, não é simples colocar um figurão desses na cadeia, a menos que ele siga o exemplo do ex-deputado Eduardo Cunha(PMDB-RJ) e passe um tempo calado no cárcere", projeta. 
A defesa de Lula pediu que o Juiz Sérgio Moro seja afastado da ação penal referente ao sítio de Atibaia devido suas relações com o ex-prefeito de São Paulo, e pré-candidato a governador, João Doria Junior (PSDB-SP). A petição lembra os diversos eventos em que Moro esteve junto com Dória e como o tucano usou as relações com o juiz federal para fazer campanha.
Stoppa condena a parcialidade de Moro e diz que o juiz de primeira instância não deveria estar sob posse do processo do ex-presidente. "O interesse de condenar não é difícil de provar, Sérgio Moro vem sendo pago, ainda que indiretamente, pelos maiores inimigos de Lula, como, por exemplo, a Rede a globo que dá destaque ao juiz desde o início do processo. Esse tipo de relação não poderia ocorrer, mas no Estado de golpe que vivemos tudo é possível", denuncia. (Com o 247)

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

1 comentários: