Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » » O cantor e compositor Caetano Veloso afirma, com toda razão, que o impeachment colocou bandidos no poder

Em entrevista ao jornalista Marcos Augusto Gonçalves, o cantor e compositor Caetano Veloso explica por que vê o impeachment da presidente Dilma Rousseff como uma farsa e aponta também o papel da Operação Lava Jato nessa trama.
"O impeachment seguiu ritos, mas via-se que os princípios constitucionais estavam sendo interpretados com muita folga, que a sensação de insegurança tendia a crescer. Mas o mais chocante é que um punhado de bandidos que estão sob acusações mais fortes (e com provas mais contundentes) do que as enfrentadas por Dilma mantêm-se no poder, seja como presidente da República, seja como ministros seus, seja como legisladores", disse ele.
Segundo ele, a Lava Jato tinha muita cara de neolacerdismo. "A desconfiança de que tudo era para desfazer o PT estava tanto entre esquerdistas que, com razão, pensam que o nosso primeiro problema é a desigualdade campeã, quanto entre figuras como Romero Jucá, Aécio Neves ou o próprio Temer, que querem levar vantagem e mover-se de modo a não atrapalhar a manutenção dessa desigualdade. Ou seja, os esquerdistas temiam que a força-tarefa fosse apenas uma trama para destruir Lula e o PT, e os conservadores corruptos esperavam exatamente isso dela. O comentário de Jucá querendo acelerar o processo de 'estancar a sangria' é prova disso", afirma.
Caetano também critica o juiz Sergio Moro pela divulgação do grampo de uma conversa entre Dilma e o ex-presidente Lula. "Eu estava em São Paulo, no hotel Emiliano, quando o telefonema de Dilma, aquele do 'Bessias', era divulgado pelo 'Jornal Nacional'. Eu tinha saído pra comprar alguma coisa na farmácia e, ao voltar, vi as ruas cheias de gente gritando. Perguntei aos porteiros do hotel o que era aquilo e eles logo me disseram exatamente do que se tratava. Vi essa gente festejando a futura queda de Dilma e me senti tão estranho a essa turba quanto às marchadeiras de 1964. Acho até hoje feio que o juiz Moro tenha divulgado o telefonema irregularmente. O Power Point que tinha Lula no centro, apresentado pelos procuradores de Curitiba, também me pareceu suspeito", afirma.
O músico também explicou seu apoio a Ciro Gomes, do PDT. "Eu, inclusive porque quero compensar o nítido boicote que os grandes jornais fazem a seu nome, estou com Ciro Gomes. A imprensa nunca lembra que ele é dos pré-candidatos mais assumidos e que ele tem explicitado, em palestras cujos vídeos saem na internet, um projeto para o Brasil. Desde que o conheci, garoto, prefeito de Fortaleza, achei que ali nascia um grande quadro político. Depois, foi meu candidato à Presidência." (Com o 247)

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply