Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » » Segundo a Polícia Federal, Michel Temer recebeu R$ 31,5 milhões em propina por ser chefe da quadrilha do PMDB

Michel Temer, Eduardo Cunha, Henrique Alvez, Geddel Vieira Lima, Moreira Franco e Eliseu Padilha formam uma organização criminosa e só o hoje presidente da República teria recebido R$ 31,5 milhões em propina por sua participação em esquemas de corrupção. É o que aponta um relatório "conclusivo" da Polícia Federal sobre o chamado "quadrilhão", investigado desde 2015 pela Lava Jato.
 
Segundo a PF, "Temer possuía poder de decisão do PMDB da Câmara para indicar pessoas para cargos estratégicos e também para fazer a articulação com empresários beneficiados nos esquemas e receber valores de doações eleitorais". Nesse contexto, Geddel e Moreira Franco seriam "braços" de Temer para arrecadar as propinas.
 
Além disso, Temer e Cunha teriam papéis complementares: o ex-deputado fazia a parte "obscura" das negociações e Temer oficializaria os atos junto ao governo.
 
"Ao quantificar a vantagem indevida que Temer teria recebido, a PF elenca R$ 31,5 milhões, sendo R$ 500 mil por meio de Rodrigo Rocha Loures, R$ 10 milhões da Odebrecht, R$ 20 milhões do contrato PAC SMS da diretoria de Internacional da Petrobras e R$ 1 milhão entregue ao coronel João Baptista Lima Filho, amigo pessoal do peemedebista", afirma o Estadão desta terça (12).
 
O relatório só foi acessado pelo jornal até o momento. O diário afirma que a PF considerou que todos os peemedebitas citados "possuem poder sobre os demais membros do grupo e capacidade de repartir o dinheiro obtido através de prática ilícitas."
 
O procurador-geral Rodrigo Janot estava aguardando a conclusão da Polícia Federal para entregar a segunda denúncia contra Temer ao Supremo Tribunal Federal. O presidente já foi acusado de corrupção passiva, mas a Câmara enterrou o pedido de investigação.
 
"Para Janot, a organização criminosa por políticos formada para atuar na administração pública é composta por integrantes do PP, PT, PMDB do Senado e PMDB da Câmara. O procurador-geral já ofereceu denúncia, nos últimos dias, para todos os ramos da investigação – exceto o PMDB da Câmara", destacou o Estadão.
 

Em nota, Temer e Moreira Franco negam as acusações. Eliseu Padilha não quis se pronunciar. Os demais não se posicionaram. (Do GGN)

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply