Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » » Prêmio Nobel em Economia afirma que a China é quem está mandando na nova economia global

O mercado interno está crescendo rapidamente e pode ser em breve o maior do mundo", diz o artigo
Artigo escrito por *Michael Spence, Prêmio Nobel de Economia, entre outros muito títulos, foi publicado nesta quarta-feira (30) pela revista financeira project Syndicate, fala sobre um novo criador de regras para a economia global. 

O texto começa apontando um comentário recente de Helen Wong, presidente-executivo do HSBC para a Grande China, para o South China Morning Post, onde mostra que a geração crescente de 400 milhões de jovens consumidores da China em breve representará mais da metade do consumo interno do país. Esta geração, observa Wong, está transacionando em grande medida on-line, através de plataformas móveis inovadoras e integradas, indicando que já "saltou da era pré-web diretamente para a Internet móvel, ignorando completamente o computador pessoal".

O autor ressalta que a classe média crescente da China não é novidade e acrescenta "mas a medida em que os consumidores jovens orientados digitalmente estão impulsionando um crescimento rápido, as indústrias de serviços da China ainda não receberam devida atenção. Os serviços, afinal, ajudarão a impulsionar a transição estrutural da China de uma economia de médio a alto rendimento".

"Ha pouco tempo atrás, muitos especialistas duvidaram que a China pudesse fazer a mudança de uma economia dominada por mão-de-obra intensiva, exportações, investimentos em infra-estrutura e indústria pesada, a uma economia de serviços sustentada pela demanda doméstica. Mas mesmo que a transição econômica da China esteja longe de ser completa, seu progresso foi impressionante", diz Michael.

Nos últimos anos, a China vem descarregando seus setores de exportação intensivos em mão-de-obra para países menos desenvolvidos com menores custos trabalhistas. E em outros setores, mudou para formas de produção mais digitais e de capital intensivo, tornando insignificantes as desvantagens do custo do trabalho. Essas tendências implicam que o crescimento do lado da oferta se tornou menos dependente dos mercados externos.

"Como resultado dessas mudanças, o poder econômico da China está aumentando rapidamente", destaca. 

"O mercado interno está crescendo rapidamente e pode ser em breve o maior do mundo". 

E porque o governo chinês pode controlar o acesso a esse mercado, ele pode exercer cada vez mais sua influência na Ásia e além. Ao mesmo tempo, a diminuição da dependência da China em relação ao crescimento liderado pelas exportações está reduzindo sua vulnerabilidade aos caprichos daqueles que controlam o acesso aos mercados globais.

Mas a China na verdade não precisa limitar o acesso aos seus próprios mercados para sustentar seu crescimento, porque pode aumentar seu poder de barganha simplesmente ameaçando fazê-lo, sugere Spencer. Isso sugere que a posição da China na economia global está começando a se assemelhar à dos Estados Unidos durante o período pós-guerra, quando, junto com a Europa, era o poder econômico dominante. Durante décadas após a Segunda Guerra Mundial, a Europa e os EUA representaram bem mais de metade (e quase 70% em um ponto) da produção global, e não eram fortemente dependentes de mercados em outros lugares, além de recursos naturais como petróleo e minerais.
Agora, a China está se aproximando rapidamente de uma configuração semelhante. Possui um mercado doméstico muito grande - ao qual pode controlar o acesso - o aumento dos rendimentos e a alta demanda agregada; E seu modelo de crescimento baseia-se cada vez mais no consumo doméstico e nos investimentos, e menos nas exportações.

Mas, como a China exercerá seu poder econômico crescente? No período pós-guerra, as economias avançadas usaram sua posição para estabelecer as regras para a atividade econômica global. Eles fizeram isso de forma a se beneficiar, é claro; Mas também tentaram ser tão inclusivos quanto possível para os países em desenvolvimento.

Os poderes pós-guerra certamente não precisavam seguir essa abordagem. Estava no seu poder se concentrar muito mais estreitamente em seus próprios interesses. Mas isso pode não ter sido sábio. Vale lembrar que, no século XX, após duas guerras mundiais, a paz era a principal prioridade, junto com - ou mesmo antes - a prosperidade.

A China mostra todos os sinais de mudança na mesma direção. Provavelmente, não irá prosseguir uma abordagem estreitamente auto-interessada, principalmente porque fazê-lo diminuirá sua estatura e influência global. A China mostrou que quer ser influente no mundo em desenvolvimento - e certamente na Ásia - desempenhando o papel de parceiro de apoio, pelo menos no domínio econômico.

Se a China pode alcançar esse objetivo, dependerá do que faz em duas áreas políticas principais. O primeiro é o investimento, onde a China se moveu agressivamente através da introdução de uma variedade de iniciativas multilaterais e bilaterais. Por exemplo, além de investir fortemente em países africanos, criou o Asian Infrastructure Investment Bank em 2015 e, em 2013, anunciou a "Belt and Road Initiative", destinada a integrar a Eurasia através de investimentos maciços em rodovias, portos e trilhos transporte.

Em segundo lugar, como a China gere o acesso ao seu vasto mercado interno, em termos de comércio e investimento, terá consequências de longo alcance para todos os parceiros econômicos externos da China, e não apenas países em desenvolvimento. O mercado interno da China é agora a fonte do seu poder, o que significa que as escolhas que ele faz nesta área no curto prazo determinarão em grande parte sua posição global nas próximas décadas.

Certamente, a posição atual da China sobre o acesso ao mercado doméstico é menos clara do que suas ambições econômicas no exterior. Mas a China provavelmente avançará para um quadro multilateral aberto, em grande parte baseado em regras. A lição do período pós-guerra é que esta abordagem fará o mais bem externamente, e assim aumentará a influência internacional da China. Nesta fase do desenvolvimento da China, essa abordagem terá poucos custos, se for caso disso, e provavelmente proporcionará muitos benefícios.

O que resta ser visto é como o relacionamento da China com as tarifas dos EUA. Os EUA sofrem com padrões de crescimento não inclusivos e conflitos políticos e sociais relacionados. E agora parece estar partindo de sua abordagem histórica pós-guerra para a política econômica internacional. Mas mesmo que os EUA se isolem sob o presidente Donald Trump, ainda é grande demais para ignorar. Se a administração Trump promulgar políticas agressivas dirigidas à China, os chineses não terão escolha senão responder.

Ainda assim, enquanto isso, a China pode continuar a buscar uma abordagem multilateral baseada em regras, e pode esperar um amplo apoio de outros países avançados e em desenvolvimento. A chave não deve ser distraída pela descida dos Estados Unidos para o nacionalismo. Afinal, é o intuito de qualquer pessoa quanto tempo isso durará.

*Michael Spence, Prêmio Nobel de Economia, é Professor de Economia na Escola de Negócios Stern de NYU, Distinguished Visiting Fellow no Conselho de Relações Exteriores, Senior Fellow da Hoover Institution na Universidade de Stanford, Conselho Consultivo Co-Presidente do Instituto Global da Ásia Em Hong Kong e presidente do Conselho de Agenda Global do Fórum Econômico Mundial sobre Novos Modelos de Crescimento. 


Ele foi o presidente da Comissão de Crescimento e Desenvolvimento independente, um órgão internacional que, a partir de 2006-2010, analisou as oportunidades para o crescimento econômico global e é o autor de The Next Convergence - The Future of Economic Growth in a Multiepeed World.

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply