Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » » » Canal de TV argentino duras críticas à Globo e a outros grupos de mídia pelas perseguições sofridas pela família do ex-presidente Lula

O canal argentino de televisão C5N, em programa jornalístico apresentado por Victor Hugo Morales, veiculou notícia sobre a morte da ex-primeira dama brasileira, Marisa Letícia Lula da Silva, fazendo duras críticas aos conglomerados de comunicação do Brasil. Sobretudo, às Organizações Globo.

Chamando a atenção para as perseguições sofridas pela família do ex-presidente Lula, a emissora C5N classificou a Globo “como um meio de comunicação dominante e diabólico”.

Também criticou de maneira ácida aos setores judiciais e políticos golpistas, como o ilegítimo presidente Michel Temer, que “queriam tomar o poder para si para instalar um governo neoliberal”.
________________
Fonte e tradução: Televisão do Mundo.

Uma webpágina no Facebook, que visa romper o cerco midiático tupiniquim, e tem como objetivo veicular "reportagens e vídeos legendados em português que mostram o Brasil que a mídia nacional esconde". Disponível em: https://www.facebook.com/Televis%C3%A3o-do-Mundo-1778800639055504/

________________
Destacou também os protestos à visita de Temer no hospital Sírio-Libanês, marcados por críticas ao presidente brasileiro, tais como “golpista” e “assassino”.

O noticiário salientou ainda as manifestações de “grande afeto ao casal – que sempre foi uma espécie de exemplo, que sempre caminhou junto” –, por partidários e pessoas não partidárias de Lula.

Diferentemente do que ocorre no Brasil, mergulhado como nos encontramos em um verdadeiro cerco midiático, antipopular, reacionário, antinacional e entreguista, na Argentina foi introduzida a regulação democrática da mídia, pelo governo de Cristina Kirchner.

Por isso, lá existem condições mais favoráveis ao pluralismo das ideias, das vozes e dos enquadramentos jornalísticos. O “papo pode ser reto” e a população possui maior acesso a visões alternativas aos meios empresarias e conservadores de comunicação. (Por Roberto Bitencourt da Silva – historiador e cientista político)

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply