Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » » Após a chacina em Campinas/SP, Dilma Rousseff condenou o discurso de ódio e violência contra as mulheres


A presidente eleita e deposta pelo golpe parlamentar de 2016, Dilma Rousseff, condenou nesta segunda-feira 2 o discurso de ódio e violência contra as mulheres e defendeu o fortalecimento da política de direitos humanos depois da chacina que matou 12 pessoas em uma festa de reveillón em Campinas, interior de São Paulo. 

O crime foi cometido pelo técnico de laboratório Sidnei Ramis de Araújo, 46, contra a ex-mulher, o filho e mais 10 pessoas da família. Antes da chacina, ele expôs seu ódio às mulheres, a quem chamou de "vadias", em cartas que foram enviadas a amigos. Ele chamou Dilma de vadia e disse que as mulheres se beneficiam da "lei vadia da penha".

"A misoginia mata todos os dias. Matou Isamara Filier, uma criança, outras oito mulheres e três homens. É intolerável que o machismo encontre eco no pensamento conservador e justifique o feminicídio", publicou Dilma Rousseff no Twitter. "O momento é de fortalecer a política de direitos humanos para defender as mulheres da cultura do ódio e da violência pelo fato de serem mulheres", acrescentou.

Ela também ressaltou que "devemos defender com firmeza a Lei Maria da Penha e fazer valer a Lei do Feminicídio para que a impunidade não seja mais escusa para novas mortes". (Com o 247)

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply