Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » Não devemos lamentar a vitória do Trump nos Estados Unidos porque não muda nada para o Brasil. Devemos lamentar o Michel Temer

Por Kiko Nogueira, do DCM
O que muda para o Brasil, ao fim e ao cabo, com a vitória de Donald Trump nas eleições norte-americanas?
Nada.
Algumas boas almas estão cortando os pulsos porque o bilionário levou o campeonato (no momento em que teclo o New York Times crava que ele tem 92% de vencer).
Trump é uma figura deplorável, um palhaço xenófobo, um ignorante fascistoide, ultranacionalista etc. Eles o escolherem e terão de lidar com isso.
Achar que Hillary seria melhor para nós não encontra respaldo na realidade. Merval Pereira, da GloboNews, chegou a declarar que Hillary era uma boa para nosotros porque ela e Bill são “muito amigos” de Fernando Henrique Cardoso. O próprio FHC deve ter derramado o mingau com o susto.
O cientista político Rodrigo Gallo, professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), disse ao Jornal GGN que não acreditava que algo mudasse em relação à política externa comercial do país qualquer que fosse o resultado.
Com relação aos imigrantes, agredidos por Trump na campanha, Gallo vê uma distância entre retórica e prática. “Muitas coisas do que ele está prometendo terão de ser colocadas de lado porque talvez não haja clima político para que elas sejam aprovadas no Congresso”, afirma.
Obama referendou o golpe de Temer e companhia. É absoluta ingenuidade pensar que com Hillary ou Trump dar-se-ia algo diverso. Não é assim que funciona.
A CNN publicou um bom artigo elencando as semelhanças entre Hillary Clinton e Donald Trump. São muitas e profundas.
Ambos estão na faixa dos 70 anos e são baby boomers criados nos anos 60. Prometeram, nos últimos meses, gastar mais com infra-estrutura.
Estão na televisão desde os anos 80. Ele acabou fazendo carreira como apresentador de um reality show idiota. Ela aproveitou cada chance de aparecer ao lado do marido Bill. Depois tirou sua casquinha como Secretária de Estado de Obama.
São representantes acabados do 1%. Enquanto criticavam as iniquidades do capitalismo moderno, fizeram muito dinheiro com ele. A fortuna de Hillary é calculada em aproximadamente 15,3 milhões de dólares, parte oriunda de palestras para o Goldman Sachs. Trump tem cheiro de dinheiro.
São investigados por corrupção. Hillary usou indevidamente emails do governo. Trump responde a processos num caso envolvendo uma universidade com seu nome.
Advogam contra o livre comércio. São legítimos descendentes da fina flor WASP (white, anglo saxon, protestant) e detestados por largas faixas da população. Amplamente considerados como “não confiáveis” e “mentirosos” — as mentiras de Trump são apenas mais divertidas, segundo pesquisas.
“Olhe para além da retórica e verá que os Estados Unidos são um país governado pelos ricos, para os ricos”, escreve o historiador Timothy Stanley. Continuarão sendo. Veja o que Barack Obama fez pelos negros de sua nação.
Antes de lamentar o destino dos americanos, agora comandados por um sujeito de cabelo cor de laranja caindo para o lusco fusco jacarandá, francamente picareta, pense em Michel Temer e lembre-se de que o Haiti é aqui.

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

1 comentários:

  1. Faz muita diferença sim. Longe de acreditar que Hillary faria algo de bom por nós (afinal é estadunidense) a política republicana indubitavelmente é pior. Todo o potencial parasita dessa "nação" vai triplicar.Tomara que os russos e chineses nos ajudem pelo menos para atrapalhá-los até que Lula volte. Se voltar....

    ResponderExcluir