Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » » Juiz que mandou prender o Garotinho já sacou arma em boate e tornou réu um guarda que o multou no trânsito


Responsável pela prisão do ex-governador do Rio, Anthony Garotinho e, depois, por sua retirada do Hospital Souza Aguiar, contrariando parecer médico sobre sua saúde, o juiz Glaucenir Silva de Oliveira já foi personagem de episódios pesados de abuso de poder.

Segundo o jornal Gazeta Online, de 21 de dezembro de 2009, republicado pelo O Globo (http://migre.me/vx851), o juiz teria importunado a namorada de um empresário de Vitória, durante show da banda Skank. Quando o empresário reagiu, o juiz sacou uma pistola e apontou para ele. O empresário pediu para os seguranças que impedissem o juiz de sair e chamou a polícia.

Na polícia, o juiz não explicou seu gesto, mas admitiu que ele e um amigo entraram armados na boate. Em sua defesa, alegou que sofreu um esbarrão e levou a mão à arma “por reflexo”.

Beneficiado por prerrogativa de foro, manteve a arma e conseguiu que o inquérito caminhasse em sigilo,a atitude do juiz reforça enormemente os argumentos dos que defendem a Lei que pune abusos de autoridade.

Apesar de constar dos arquivos do Globo, fato passou em branco na imprensa.

A Guarda que multou o juiz e se tornou ré
Em 26 de maio de 2011, o juiz voltou a ir para uma delegacia, acusado de ter agredido uma Guarda Municipal que o multou no trânsito (http://migre.me/vxdi5)

Segundo o jornal:
"A guarda Simone disse que estava fazendo o serviço de orientação e ordenamento do trânsito no cruzamento da avenida José Alves de Azevedo com Saldanha Marinho, quando o motorista de um veículo, sem nenhuma identificação oficial e com um motorista vestido de short e camisa, parou no sinal, com o condutor sem cinto de segurança.

Ao notar a infração, prevista no artigo 167 do Código Nacional de Trânsito, ela teria pedido que o motorista colocasse o cinto porque era perigoso trafegar sem o mesmo. Nesse momento, segundo a guarda, o homem havia dito que era juiz, mas não teria se identificado e nem colocado o cinto, motivo pelo qual ela fez a anotação de multa, já que a infração é grave, com perda de cinco pontos na carteira e multa de R$ 127,00. Ainda segundo a servidora pública, o juiz, ao notar que foi multado, voltou falando alto e denegrindo sua função, supostamente proferindo xingamentos.

Ao se aproximar dela, o magistrado a teria agredido, puxando-a pela farda. Momento em que ela, temendo ser agredida fisicamente, pediu reforço ao comando e se defendeu. Em seguida, ela teria o convidado para que a acompanhasse até a sede da Guarda e depois à delegacia. Nesse momento, segundo ela, o juiz teria dito que ela é que iria acompanhá-lo. Simone conta ainda que, ao chegar à Delegacia, foi surpreendida com a informação de que ela, que teria sido agredida, era ré no boletim de ocorrência (BO) feito pelo juiz. “Vim para cá  porque sou vítima e vou sair daqui como ré”".

O suborno de Garotinho
Muito cuidado com as seguintes informações:
1. O juiz Glaucenir afirma que teria recebido proposta de suborno de alguém enviado por Garotinho.
2. Ao mesmo tempo, admite que pode ser investigado pela Polícia Federal.
3. Antes mesmo de se saber o teor da investigação, sugere que as mesmas pessoas que pretenderam supostamente suborná-lo, podem ter subornado a PF.
4. O receio de Garotinho de ser executado no presídio e suas ameaças de denúncias contra grupos criminosos.

Tem coisa aí.

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply