Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » No governo de Michel Temer o IPEA está totalmente desmoralizado

 A bruxa do maccarthismo sobrevoou esta semana o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Ipea, uma das mais respeitadas instituições de pesquisa econômica do Brasil. A pesquisadora Fabiola Sulpino Vieira foi exonerada e desqualificada em nota do presidente do instituto, Ernesto Lozardo, por conta de seu estudo apontando as perdas de mais de R$ 700 bilhões que a Saúde terá com a aprovação da PEC 241.  Ela foi a principal autorida da Nota Técnica numero 28, aprovada pela diretoria, apontando as perdas.  Como ex-funcionária do IPEA nos anos 1970,  posso assegurar: na ditadura a instituição era mais respeitada. Nunca um técnico foi demitido ou desmentido porque seus estudos desagradaram o governo. E olhe que ali trabalharam Edmar Bacha,  Pedro Malan e muitos outros economistas que na época eram críticos da política econômica do regime.
          O IPEA foi criado em 1964, no início do regime militar, quando o ministro do Planejamento era Roberto Campos. Seu criador e primeiro presidente foi o ex-ministro João Paulo dos Reis Velloso. Inicialmente chamada EPEA, rebatizado IPEA em 1966; o órgão foi concebido para formular o planejamento econômico global do governo, e este era seu papel quando lá trabalhei nos anos 1970. Eu estudava economia (antes de bandear-me para  jornalismo) e era funcionária administrativa. Participei, no meu modesto papel, dos trabalhos de produção do I e do II PND – Plano Nacional de Desenvolvimento.  Já naquele tempo, muitos economistas “progressistas” que lá trabalhavam divergiam  da ditadura em termos econômicos. Estas divergências foram muitas vezes expressas em “papers”, artigos ou entrevistas.   Não me lembro de  nenhuma demissão pedida pelo Planalto ou pela “comunidade de informações” (um monstro cujo rosto visível era o SNI e cujas patas eram os Dois-Codis) por conta do conteúdo técnico dos documentos ou estudos elaborados.
Com o passar do tempo o perfil do IPEA foi se ajustando às novas necessidades do Estado e da sociedade brasileiros. Nos últimos anos, o órgão especializou-se em formular, acompanhar e avaliar as políticas sociais. Os governos civis, depois da redemocratização, também respeitaram a autonomia e a independência técnica do órgão.
        Agora, porém, o IPEA  sofreu uma violência sem precedentes, que abalou sua comunidade profissional e gerou uma nota de protesto da Afipea, a associação dos funcionários. Estamos  assim: a caça às bruxas do governo Temer continua e chegou a uma instituição de pesquisa. Daí para as universidades será um passo.
        Desde que Temer tomou posse tivemos milhares de exonerações de petistas. Mas eles ocupavam cargos de confiança, digamos que é do jogo. No MDA (Ministério do Desenvolvimetno Agrário), entretanto, foi um pouco diferente. Ali técnicos foram exonerados pelo que pensam sobre reforma agrária. Da EBC, já falei muito. Eu e outros jornalistas tivemos os contratos rescindidos pelo teor de nossos comentários,  críticos ao impeachment. O filme “Aquarius” foi punido por conta do protesto de seu elenco contra o golpe, em Cannes. A devassa no Minc também teve fortes conotações ideológicas. A Comissão da Anistia já foi desidratada, com a substituição de integrantes historicamente ligados à luta pela verdade, pelo esclarecimento dos crimes da ditadura. Se não estamos indo para uma nova ditadura, onde estamos?
Por Tereza Cruvinel, do 247

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply