Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » Ao votar. a Dilma Rousseff vai com o povo enquanto que o Michel Temer se esconde

Daniel Isaia – Correspondente da Agência Brasil
 
A presença da ex-presidente Dilma Rousseff numa zona eleitoral para votar, hoje em Porto Alegre, foi marcada por tumulto entre os apoiadores dela, profissionais da imprensa e policiais da Brigada Militar (BM). A confusão começou quando soldados impediram a multidão de acompanhar a petista.

O acompanhamento da ex-presidente por profissionais da imprensa havia sido proibido pelo juiz Niwton Carpes da Silva, titular da 160ª Zona Eleitoral. Ele alegou que Dilma “é uma cidadã comum” e “não deve ter o voto registrado”.
Desde o final da manhã, no entanto, apoiadores da ex-presidenta e repórteres de vários veículos de imprensa estavam aglomerados na calçada em frente à Escola Estadual Santos Dumont, na zona sul da capital gaúcha, onde Dilma vota. Minutos antes da chegada dela, dois agentes da BM fecharam parcialmente os portões da escola e passaram a controlar o acesso ao local.
Dilma chegou às 13h30 à escola, acompanhada do ex-ministro Miguel Rossetto e do candidato do PT à prefeitura de Porto Alegre, Raul Pont. Ela foi cercada pelos militantes e jornalistas. A multidão conseguiu passar pelo portão de acesso ao pátio e a acompanhou até a entrada da escola.
Discussão entre imprensa e soldados
Na porta, os homens da Brigada Militar impediram a entrada dos apoiadores de Dilma e dos repórteres que, então, passaram a discutir com os policiais. Em poucos minutos, os dois lados trocaram agressões, chegando a quebrar um vidro da porta da escola. A candidata a vice-prefeita de Pont, Silvana Conti, do PCdoB, sofreu lesões na perna. Ela saiu do local afirmando que havia sido agredida pelos militares e que faria registro de ocorrência.
O ex-ministro Miguel Rossetto, que também foi impedido de entrar, afirmou que o partido vai entrar com uma representação na Justiça Eleitoral por tentativa de censura.
Com o tumulto na entrada principal do prédio, Dilma saiu do local por uma porta alternativa, longe dos repórteres e dos apoiadores. Apesar da confusão, não houve prisões. O acesso ao local foi liberado pelos policiais assim que a ex-presidente deixou a escola.

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply