Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » Ao saber que ia ser preso pela Polícia Federal, Eduardo Cunha telefonou para integrantes do governo Temer


Ao tomar conhecimento de que seria preso, o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB) deu início a uma bateria de ligações para integrantes do governo. Aos interlocutores, Cunha parecia estar fazendo um pedido de ajuda, diz coluna Painel da Folha de S.Paulo.

"Eu vou ser preso, eu vou ser preso”, repetia um impaciente Eduardo Cunha, pelo telefone, a integrantes do governo ao saber que a PF estava no seu encalço. Parecia pedir ajuda. Pela manhã, no imóvel que já deveria ter devolvido à Câmara, havia recebido alguns poucos aliados. Como num dia normal, queixou-se de abandono e quis saber como Rodrigo Maia se saía no papel que considerava seu. Informado da ação, disparou ligações. “Estão atrás de mim. Vou acabar pagando esse preço.”

Cunha também perguntou sobre o projeto de repatriação. “Mas de nada adianta, o que é atribuído a mim ou a minha família está bloqueado”, lamentou.

O peemedebista chegou abatido à carceragem da PF em Curitiba. Foi logo trancado. Fará companhia a Antonio Palocci. Apenas uma cela separa os dois presos da Lava Jato.

A polícia se preocupou em não deixá-lo no mesmo pavilhão de Alberto Youssef e Marcelo Odebrecht — além de dificultar troca de informações, quis evitar que ele e o doleiro, seu desafeto, se estranhassem.

Um integrante do Estado Maior da Lava Jato não segurou o riso. “Em uma semana ele estará mandando na custódia da PF. Vai mandar até no Marcelo.”

Como de costume, vários deputados ocupavam mesas de uma churrascaria na Asa Sul quando da notícia da prisão. De imediato, começaram a circular nervosamente pelo restaurante. “Nossa profissão é de risco”, disse um aliado de Cunha a um tucano." (Com o 247)

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply