Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » Em entrevista para a TV, Eduardo Cunha afirma que romper com o governo de Dilma Rousseff foi um erro

Na última entrevista concedida antes do julgamento de seu processo de cassação, prevista para esta segunda-feira (12), o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) diz que cometeu “dois grandes erros”: romper com o governo Dilma e atacar o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, autor das denúncias contra ele aceitas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e de seu pedido de afastamento do mandato.
“O confronto exagerado que estabeleci [com Rodrigo Janot] acabou chamando uma reação corporativa do Ministério Público. E, talvez, eu devesse ter ignorado o governo, não ter partido para o rompimento. Estava convencido que havia articulações para me constranger. O problema é que eu poderia ter continuado com a minha certeza e não ter reagido como reagi”, declarou o peemedebista em entrevista à repórter Daniela Lima, da Folha de S.Paulo. Segundo ele, sua eventual cassação vai fortalecer o discurso encabeçado por petistas de que Dilma foi vítima de um golpe e “turbinar” o PT na disputa eleitoral de 2018.
Na entrevista, Cunha pede aos colegas que seu destino seja decidido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e lembra que cerca de 160 deputados são alvos de investigações na mais alta corte do país. “Falam que fiz ameaça quando disse que mais de 160 parlamentares estão sob investigação, com inquérito, processo. Se eles forem julgados pelo texto da acusação, não vai sobrar ninguém.” Para ele, os deputados precisam “julgar sabendo que amanhã serão julgados”.
O ex-presidente da Câmara afirma que é um “absurdo” ter o mandato cassado sob a acusação de mentir. “Ser cassado sob acusação de mentir? Como se todo mundo só falasse a verdade? Se menti ou não menti, será resolvido quando o Supremo decidir [o caso]. Se for condenado, terei mentido. Se não for, não terei”, disse.
Cunha também faz análise pessimista do presidente interino, Michel Temer (PMDB). Para o peemedebista, Temer virou “refém” do PSDB e do DEM e poderá ser arrastado pela mesma crise de representatividade que encerrou precocemente o segundo mandato de Dilma. O deputado afastado conta, ainda, que vai escrever um livro sobre o impeachment. “Não espero perder o mandato mas, se acontecer, o livro vai sair mais rápido. Vou ter mais tempo.”
O deputado afastado afirma, ainda, não se preocupar com sua eventual morte política pouco mais de um ano e meio após assumir a presidência da Câmara. “Quem lida bem com política sabe que, já dizia Murilo Badaró, ela é a única atividade que você pode morrer e ressuscitar várias vezes. Já vi muita gente morrer e ressuscitar. Isso não me preocupa. Já vivi muitas coisas, já vi muita coisa acontecer. É como uma gangorra. Isso não me preocupa.” (Com Congresso em Foco)

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply