Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » » No Chile, trabalhadores protestas contra sistema privado de pensões

Protestos que chegaram a mobilizar mais de um milhão de pessoas no Chile, em 50 cidades do país, pedem que o governo acabe com o sistema privado de pensões, que foi estabelecido durante a ditadura de Augusto Pinochet. O sistema obriga o depósito das contribuições dos trabalhadores em contas que são geridas por entidades privadas e designadas como Administradoras de Fundos de Pensão (AFP).

Os trabalhadores que pedem o fim do sistema privado dizem que ele perpetua as desigualdades, além de não garantir que os aposentados tenham dignidade em sua velhice. A presidente Michelle Bachelet apresentou ao Congresso, nas últimas semanas, propostas para rever o sistema, mas o movimento “No+AFP” considerou as medidas insuficientes. (Com o GGN)

Leia mais abaixo:  
Do Público.pt
 
Governo de Michelle Bachelet sob pressão para rever modelo estabelecido durante a ditadura militar de Pinochet. Trabalhadores contribuem com 10% dos seus salários, mas em vez do retorno de 70% prometido só estão a receber em média 35% – e em 90% dos casos, as reformas são metade do salário mínimo.
 
Uma jornada nacional de protesto contra o sistema privado de pensões, estabelecido durante a ditadura militar de Augusto Pinochet, mobilizou mais de um milhão de pessoas em 50 cidades do Chile, metade das quais na capital Santiago.
 
Os manifestantes exigem que o Governo acabe com este sistema, que obriga ao depósito das contribuições dos trabalhadores em contas individuais semelhantes a poupanças reforma, geridas por entidades privadas designadas como Administradoras de Fundos de Pensão (AFP). Segundo denunciaram, este é um modelo que “perpetua as desigualdades” e que não garante a dignidade na velhice aos trabalhadores reformados.
 
“Não descansaremos enquanto não conseguirmos que as nossas contribuições para o pagamento de reformas deixem de estar ao serviço dos grupos económicos e passem a estar ao serviço dos seus verdadeiros proprietários: os trabalhadores”, declarou o coordenador do movimento cidadão “No+AFP”, Luis Mesina, citado pela BBC Mundo.
 
O sistema de pensões privado foi criado em 1981 pelo Governo de Pinochet – abrangendo toda a sociedade excepto as Forças Armadas, a polícia e outras agências de segurança, que mantiveram o seu esquema mais generoso. O sistema é constituído por seis fundos de pensões, que em conjunto gerem activos de 143,5 mil milhões de euros.
 
Quando introduziu o sistema privado, o Presidente Augusto Pinochet garantiu que os pagamentos das pensões equivaleriam a um mínimo de 70% do último salário antes da reforma. Os trabalhadores passaram a contribuir com 10% dos seus vencimentos para os fundos, mas quando alcançaram a reforma não receberam a pensão prometida – estão a receber em média 35% dos salários.
 
Segundo a Fundación Sol, 90% dos reformados chilenos cujos descontos foram depositados em contas geridas pelas AFP recebem pensões mensais inferiores a 154 mil pesos (ou 205 euros), que são cerca de metade do salário mínimo estabelecido no Chile.
 
Sob pressão, a Presidente Michelle Bachelet já tinha apresentado há duas semanas várias propostas de revisão do sistema ao Congresso: a introdução de pagamentos das empresas para o sistema, através da cobrança de uma contribuição de 5% por cada trabalhador; o corte nas comissões dos gestores do sistema e o estabelecimento de uma pensão mínima universal. No entanto, estas mexidas foram consideradas insuficientes pelo movimento “No+AFP”, que não desarma da luta: sem alterações mais significativas, os manifestantes prometem convocar uma greve geral em Novembro.

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply