Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » » A Polícia Federal afirma que propina para o PMDB e para o PP era tratada por e-mail entre Alberto Youssef e a Queiroz Galvão

A Polícia Federal anexou à 33ª fase da Lava Jato, denominada Operação Resta Um, e-mails que mostram o doleiro Alberto Youssef e o ex-executivo da Queiroz Galvão Othon Zanoide (preso na terça-feira) discutindo o que parecem ser doações de campanha para o Partido Progressista (PP) e para o PMDB. De acordo com a PF, porém, os valores são 'propina disfarçada de doação'.

Um dos e-mails foi enviado em 23 de setembro de 2010, período de campanha eleitoral em todo o país. Na mensagem, Othon Zanoide fala com Youssef, um dos primeiros presos na Lava Jato . "Primo ... A seguir, a relação dos recibos faltantes, desde já agradeço a ajuda".

Em seguida, há uma relação de nomes e os respectivos valores recebidos.

Aparecem na lista os diretórios do PP da Bahia ("500.000″) e de Pernambuco ("250.000″), e do PMDB de Rondônia ("300.000″), além do Diretório Nacional do PP ("2.040.000″). Os valores não aparecem acompanhadas de nenhuma descrição. Também são citados nomes de políticos do PP: o deputado federal Nelson Meurer (PP-PR) e os ex-deputados Roberto Teixeira (PP-PE) e Aline Corrêa (PP-SP).

Em outro e-mail, Youssef encaminha a um funcionário da Queiroz Galvão os endereços de Meurer e de Roberto Teixeira, no Paraná e em Pernambuco, respectivamente. Uma terceira mensagem, desta vez de Youssef para Othon, traz a informação sobre uma conta no Banco do Brasil atribuída ao diretório nacional do PP.


PMDB, PP e os políticos mencionados negam o recebimento de propina ou de qualquer irregularidade. A Queiroz Galvão diz estar colaborando com a apuração, de acordo com o blogo do Fernando Rodrigues.

Do 247

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply