Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » Dilma diz acreditar que possui "votos o suficientes para barrar o impeachment"

Após negar a informação de que haveria o "compromisso fechado" em torno de novas eleições como método para barrar o impeachment no Senado, a presidente afastada Dilma Rousseff (PT) explicou nesta quarta (29), em entrevista ao jornalista Kennedy Alencar, que só aceitará a ideia se os senadores assim demandarem, e se houver a aprovação majoritária de movimentos sociais e outros aliados. "Não vou tomar essa iniciativa, como sendo minha", disse.

Dilma ressaltou que a guerra do impeachment deverá, antes de qualquer coisa, ser travada no Senado e, se necessário, no Supremo Tribunal Federal, que eventualmente terá a responsabilidade de julgar o mérito do pedido de afastamento da presidente reeleita.

Dilma disse acreditar que possui, hoje, "votos o suficiente para barrar o impeachment", mas que é muito "delicado" ficar apontando quem é contra o afastamento agora. "Ninguém pode dizer que todos que votaram pela admissibilidade votarão pelo mérito. Até porque muitos senadores votaram a favor e disseram que foi exclusivamente pela aceitação do processo", lembrou a presidente, que contabiliza 22 votos a seu favor.

Para barrar o impeachment, Dilma precisa de 28 votos. A equipe de Michel Temer divulga nos bastidores que tem entre 58 e 60 votos a favor do impeachment.

Na entrevista, Dilma disse ainda que está "avaliando uma carta de compromisso à Nação". O primeiro compromisso, segundo ela, será com a democracia. Ou seja: qualquer que seja o desfecho da crise, a recondução da petista ao mandato que recebeu das urnas em 2014 é o primeiro passo.


"Hoje está sendo discutido se haverá proposta de plebiscito. A proposta tem que ser de um terço da Câmara e do Senado. O que é importante para mim é manter a unidade dos que me apoiam. São parlamentares, movimentos sociais, intelectuais, que têm opiniões diferentes. Se os 27 senadores propuserem isso [novas eleições] para mim, vou endossar. Mas eu não vou tomar essa iniciativa, como sendo minha. Em qualquer hipótese, para se afirmar a democracia, passa por um requisito: a minha volta à Presidência da República, com plenos direitos".

Do GGN

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply