Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » músico Chico Buarque dizia sentir orgulho da política externa brasileira, agora ele sente vergonha

Tempos atrás, quando foi questionado sobre o que mais o agradava no governo Lula, o cantor e compositor Chico Buarque mencionou a política externa desenvolvida por Celso Amorim.
O motivo?
– O Brasil não fala fino com os Estados Unidos, nem fala grosso com a Bolívia – disse Chico.
Antes de Amorim, ficou marcada na lembrança a imagem de um chanceler brasileiro, no governo FHC, que teve que tirar os sapatos para entrar nos Estados Unidos.
Com Lula e Amorim, o projeto da Área de Livre Comércio das Américas foi sepultado e foi desenvolvida a política Sul-Sul.
Esse modelo, no entanto, parece estar chegando ao fim com a nomeação de José Serra para o Itamaraty.
Desde que assumiu o cargo, ele já brigou com países como Bolívia, Venezuela, Equador e El Salvador, que não reconhecem o governo brasileiro, assim como com a Unasul, cujo presidente, Ernesto Samper, se negou a bater boca com um "chanceler interino".
Serra também pediu um estudo sobre custos de representações diplomáticas, o que deve levar ao fechamento de postos na África e na América Central e Caribe.
Recentemente, a revista Foreign Affairs, bíblia da política externa, exaltou as conquistas do Brasil como ator global, justamente por expandir sua presença nessa regiões.
Com Serra chanceler, a lei de Chico deve ser invertida. A partir de agora, o Brasil tentará falar grosso com os vizinhos e fino com os Estados Unidos – o que foi criticado, ontem, pela presidente afastada Dilma Rousseff.
Do 247

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply