Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

» » » Michel Temer está nas mãos de Globo e de Eduardo Cunha

A gravação de Romero Jucá, escancarando que a derrubada de Dilma era parte de uma operação para salvar a cúpula do PMDB na Lava-Jato, deveria marcar o início do fim desse lamentável governo Temer. Isso se o Brasil fosse um país normal…
É emocionante ver o esforço do conglomerado Globo para reduzir a devastadora gravação de Jucá a um fato quase corriqueiro. Essa disposição da Globo/GloboNews/CBN, com seus comentaristas amestrados, é hoje um dos sustentáculos de Temer. O outro sustentáculo é Cunha.
Sim, hoje Temer só permanece em pé graças a duas coisas: a força da Globo para pautar a sociedade, e o poder oculto de Cunha – que pode frear investigações na Câmara, e garantir maiorias para aprovar MPs e projetos fundamentais na gestão da economia.
O mercado financeiro, a elite econômica e a opinião pública mundial já perceberam que Temer tem a consistência de algodão doce no palito. Mas a Globo, os tucanos e o baixo clero de Cunha vão insistir com ele – o que pode esgarçar ainda mais a democracia no país.
Parece óbvio que Temer e seus asseclas não ornam com todo o movimento que levou à derrubada de Dilma. Da mesma forma que em 1964, a mídia em 2016 se transformou na caixa de ressonância dos setores derrotados nas urnas (UDN em 64, PSDB/DEM em 2016), e construiu a pauta da moralidade, levando milhares de pessoas (especialmente de classe média) para as ruas.
Em 64, esse roteiro terminou levando ao poder um militar considerado “limpo” (Castelo Branco, “herói de guerra” que lutara contra os fascistas na Itália). Em 2016, toda a construção de “luta contra a corrupção” terminou com Temer e seus meninos no poder. Estranho… Seria o mesmo que Ademar de Barros tivesse virado o presidente em 64.
Por isso, não é absurdo pensar que a queda de Temer pode levar a um aprofundamento da onda conservadora: um homem de toga cumpriria o papel que os homens de farda cumpriram em 64?
Moro e Joaquim Barbosa são construídos claramente como alternativas de poder. Na lei ou na marra…
Poderiam ser os escolhidos, por exemplo, numa eleição indireta se – após o impeachment definitivo de Dilma – Temer desmoronasse no início de 2017 (Serra também acalenta essa possibilidade, de vir a ser o escolhido).
Mas o processo pode escapar do controle de Globo e do MPF, que tem em Janot um estrategista determinado.
Há outras hipóteses. Por exemplo: e se Temer desmoronar mais cedo ainda, com uma onda popular pela esquerda nas ruas, nos próximos meses? Nesse caso, o Senado poderia reverter o impeachment de Dilma? Basta que 3 ou 4 senadores mudem de posição, para que Temer deixe de existir… Lembremos que na primeira votação no Senado foram 55 votos pelo impeachment. E ao final serão necessários 54 para confirmar.
Parece pouco provável, mas não impossível, que o quadro se reverta. Isso a depender das outras bombas que virão por aí contra o PMDB. Mas, claro, há a Globo a segurar a narrativa: os atos contra o golpe são escondidos, e as notícias contra o governo desaparecem nos escaninhos da família Marinho.
Difícil é imaginar o passo seguinte: se Dilma virasse o jogo, ela voltaria para governar (com qual programa? O liberal, a la Levy? Ou um programa popular?), ou assumiria o compromisso de retornar ao poder apenas para chamar um plebiscito que decidiria por novas eleições?
O caso Jucá é o indicativo de que Temer terá imensas dificuldades de se consolidar. Isso é certo. O mais difícil é saber o que nos aguarda logo depois.
O aprofundamento da onda conservadora não está descartado. Mas uma reação popular, pela esquerda, é possível também – dados os erros brutais e a insensibilidade arrogante daqueles que pensam controlar o país como se estivessem em suas fazendas, na República Velha.

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Leave a Reply