Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

O governo gasta R$1,1 bilhão em auxílio moradia para juízes, deputados, senadores e ministros; mas fecha hospitais


Em 2016, os Três Poderes gastaram R$ 1,145 bilhão com auxílio-moradia, segundo cálculo feito para a BBC Brasil pela organização Contas Abertas, de monitoramento de dinheiro público. De janeiro a agosto de 2017, foram R$ 744 milhões, contra R$ 500 milhões no mesmo período em 2015 (em valores correntes, ou seja, sem atualizar pela inflação).



Esses R$ 1,145 bilhão seriam suficientes para custear, durante um ano, por exemplo, o bolsa-aluguel de 238,5 mil famílias de baixa renda em São Paulo, cidade com o maior déficit habitacional do país.

No caso dos imóveis funcionais, é difícil contabilizar quanto a União gasta com isso, já que esses dados não estão agregados no Orçamento. O que há são empenhos esporádicos de recursos. A Câmara, por exemplo, separou em junho R$ 2,5 milhões para gastar com a limpeza e a portaria de seus apartamentos funcionais, identificou o Contas Abertas.

Além do debate sobre o reequilíbrio das contas públicas, cada vez mais premente diante de quatro anos consecutivos de déficit do governo, esse tema ganhou destaque em agosto, quando o blog da jornalista da Globonews Andreia Sadi revelou que a assessora da primeira-dama Marcela Temer, Cintia Borba, responsável por supervisionar a rouparia e a limpeza do Palácio do Jaburu, passou na frente de outros servidores e conseguiu um apartamento custeado pelo Estado na capital federal.

O governo respondeu que a assessora da primeira-dama cumpriu os pré-requisitos para ocupar o apartamento funcional: tem cargo comissionado de alto nível e não é proprietária de imóvel em Brasília, entre outros (Com a BBC)

Os dois principais responsáveis pelo golpe contra a Dilma são atualmente os políticos mais rejeitados do Brasil: Temer e Aécio

Quais são os políticos mais rejeitados do Brasil? Eles mesmos, Michel Temer e Aécio Neves, responsáveis pelo golpe que destruiu a democracia, a economia e a imagem do Brasil.
Segundo a pesquisa Ipsos, que também revelou aumento da rejeição ao juiz Sergio Moro e queda nos índices de reprovação ao ex-presidente Lula, Michel Temer é rechaçado por 94% dos brasileiros – um recorde histórico – e Aécio por 89%.
Temer foi denunciado por corrupção, obstrução judicial e comando de organização criminosa. Aécio poderá ter seu pedido de prisão julgado na próxima terça-feira, por envolvimento no esquema de propinas da JBS.
Os dados demonstram que o golpe de 2016 foi também fatal para os seus articuladores. (Com o 247)

Os dois principais pelo golpe contra a Dilma são atualmente os políticos mais rejeitados do Brasil: Temer e Aécio

Quais são os políticos mais rejeitados do Brasil? Eles mesmos, Michel Temer e Aécio Neves, responsáveis pelo golpe que destruiu a democracia, a economia e a imagem do Brasil.
Segundo a pesquisa Ipsos, que também revelou aumento da rejeição ao juiz Sergio Moro e queda nos índices de reprovação ao ex-presidente Lula, Michel Temer é rechaçado por 94% dos brasileiros – um recorde histórico – e Aécio por 89%.
Temer foi denunciado por corrupção, obstrução judicial e comando de organização criminosa. Aécio poderá ter seu pedido de prisão julgado na próxima terça-feira, por envolvimento no esquema de propinas da JBS.


Os dados demonstram que o golpe de 2016 foi também fatal para os seus articuladores. (Com o 247)

Pesquisa mostra que a rejeição ao ex-presidente Lula cai e ao juiz Sérgio Moro sobe

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos traz dados surpreendentes.
Realizada depois da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e também após o depoimento do ex-ministro Antonio Palocci, ela mostra que a rejeição ao juiz Sergio Moro, que conduz a Lava Jato, disparou. O índice dos que desaprovam seus métodos chega a 45%, contra apenas 48% que o aprovam, numa situação de empate técnico.
Ao mesmo tempo, a rejeição a Lula, condenado a nove anos e meio de prisão, caiu e é uma das menores entre todos os presidenciáveis. "O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve seu índice de desaprovação reduzido e sua taxa de aprovação ampliada em setembro na comparação com o mês anterior, segundo o mais recente Barômetro Político, pesquisa mensal de credibilidade realizada pelo instituto Ipsos. O porcentual da população que não concorda com a atuação de Lula caiu de 66% para 59%, enquanto a parcela da sociedade que o aprova subiu de 32% para 40%, a maior em dois anos de levantamento – apenas 1% não soube opinar", aponta reportagem de Adriana Ferraz e Gilberto Amendola, publicada no Estado de S. Paulo.
"Ao mesmo tempo, o juiz federal Sérgio Moro, que condenou Lula e é símbolo da Lava Jato, alcançou uma taxa de desaprovação de 45%, recorde desde setembro de 2015. As impressões da população sobre Lula, Moro e demais personalidades foram colhidas entre os dias 1.º e 14 deste mês, ou seja, antes e depois do depoimento de Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda de Lula e da Casa Civil de Dilma Rousseff", apontam ainda os jornalistas.
Ou seja: cresce, na sociedade brasileira, a percepção de que ele é alvo de perseguição judicial, com objetivos políticos.
Segundo o também cientista político Cláudio Couto, da FGV-SP, o embate entre Lula e Moro parece estar criando uma vitimização do ex-presidente. “Além disso, a aprovação de Lula surfa na desaprovação do governo Temer”, afirmou Couto. A desaprovação a Temer alcançou 94%. (Com o 247)
Confira, abaixo, os resultados:

Segundo a Folha de São Paulo, João Doria reduz críticas ao PT e mira o centro

É destaque no Painel da Folha deste sábado (23) que o prefeito de São Paulo Joao Doria (PSDB), nunca campanha de aproximação com o DEM de olho na corrida presidencial de 2018, diminuiu as críticas ao PT e afirmou que o caminho certo para a próxima eleição é pelo "centro". Segundo o jornal, Doria ainda disse que a data do jantar que ocorreu na última quinta (21) deveria ser lembrada como o início de uma grande aliança nacional pelo Brasil.
"No jantar com integrantes do DEM, nesta quinta (21), o prefeito de SP, João Doria, amenizou o tom de enfrentamento ao PT e a rmou que o caminho certo para as próximas eleições é o centro. No encontro, Doria passou por espécie de sabatina. Foi questionado sobre saúde, agronegócio, Nordeste e emprego. Segundo participantes do jantar, o prefeito pediu aos convidados que levassem para casa o menu, que tinha a data da reunião. A peça, disse, marcaria o dia em selaram uma aliança 'para o futuro do Brasil'", afirmou o Painel. (Com o GGN)

Ciro Gomes diz que o ex-presidente Lula fez muito bem ao Brasil e poderá se eleger mesmo após o Palocci

O vice-presidente nacional do PDT e pré-candidato à Presidência da República, Ciro Gomes, afirmou neste sábado (23) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem viabilidade de se eleger, mesmo após o depoimento do ex-ministro Antonio Palocci, que o acusou de envolvimento no esquema de corrupção investigado pela Lava Jato.
"Viabilidade tem. O Lula foi uma pessoa que fez muito bem a muita gente no Brasil. Foi um presidente que fez muito bem ao Brasil", disse o pededista, durante evento do PDT em São Paulo.
De acordo com o ex-governador, "há um componente de perseguição" contra o ex-presidente. "A minha responsabilização ao Lula não é nesse plano penal, policial, de Lava Jato. A minha responsabilização ao Lula é política. Porque aí não dá para se afastar da ideia de que foi ele quem pôs, por exemplo, o Michel Temer como vice-presidente", complementou.
O ex-presidente pode não concorrer na eleição de 2018 em consequência de uma eventual confirmação, em segunda instância, da condenação proferida pelo juiz Sergio Moro. Para Ciro, "é bom para a democracia que ninguém seja impedido de disputar [a eleição], mas também ninguém pode se pôr acima da lei e da Justiça". "Se nós não aceitarmos determinadas premissas civilizatórias de que a última palavra numa sociedade civilizada é do Judiciário, onde é que nós vamos parar?", questionou.
Mesmo sendo vítima de perseguição judicial, Lula lidera as pesquisas eleitorais. De acordo com o último levantamento, feito pela CNT/MDA, divulgada nesta terça-feira (19), o petista tem uma intenção de voto que varia, nos três cenários, entre 32% e 32,7% para o primeiro turno. No segundo turno, a intenção de voto estimulada fica entre 39,8% e 42,8%.
A pesquisa foi realizada entre os dias 13 e 16 de setembro de 2017 e ouviu 2.002 entrevistados. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais com 95% de nível de confiança. (Com o 247)

Michel Temer é estraçalhado nas redes sociais após postar um vídeo

Como de costume, Michel Temer foi estraçalhado nas redes sociais.
Com apenas 3,4% de aprovação, ele foi ao Twitter tentar convencer o público de que não deve ser afastado do cargo depois de ser denunciado por corrupção, obstrução judicial e comando de uma quadrilha que teria desviado R$ 567 milhões, segundo aponta a Procuradoria-Geral da República.
As reações, de forma praticamente unânime, foram negativas e Temer foi chamado de ladrão, golpista, excrescência, traidor e assim por diante.
Confira, abaixo, algumas delas:
Tenho convicção de que os parlamentares submeterão essa última denúncia aos critérios técnicos e legais. A verdade, mais uma vez, triunfará. pic.twitter.com/yYpYDUb5rV
Nao tenho provas, mas tenho a convicção de que vossa excrescência vai para a cadeia
Tenho convicção de que os parlamentares submeterão essa última denúncia aos critérios técnicos e legais. A verdade, mais uma vez, triunfará. pic.twitter.com/yYpYDUb5rV
A única conexão que sei é que eis um traidor, sem apelação. Essa pecha não poderá jamais apagar.
Tenho convicção de que os parlamentares submeterão essa última denúncia aos critérios técnicos e legais. A verdade, mais uma vez, triunfará. pic.twitter.com/yYpYDUb5rV
Nós também, senhor. Esperamos que os deputados não se rendam à baixa prostituição como na primeira, e que o senhor seja exemplarmente punido
Tenho convicção de que os parlamentares submeterão essa última denúncia aos critérios técnicos e legais. A verdade, mais uma vez, triunfará. pic.twitter.com/yYpYDUb5rV
Tenho convicção de que vc vai ser lembrado como pior presidente q o país já teve seu canalha.
Leia, abaixo, reportagem da Agência Brasil sobre o caso:
Marcelo Brandão - Repórter da Agência Brasil

O presidente Michel Temer usou as redes sociais para fazer mais uma defesa contra as acusações da Procuradoria-Geral da República. Em vídeo divulgado na tarde hoje (22), Temer afirmou que foram apresentadas “provas forjadas” e “denúncias ineptas”. “A verdade prevaleceu ante o primeiro ataque a meu governo e a mim. A verdade, mais uma vez, triunfará”, disse. A declaração do presidente é feita no dia seguinte à chegada da segunda denúncia contra ele à Câmara dos Deputados.
No vídeo, disponível em sua conta no Twitter, Temer diz que “o princípio básico da inocência foi subvertido: agora todos são culpados até que provem o contrário”. Destacando que é vítima de uma conspiração, o presidente diz que o Brasil pode estar seguindo o mesmo caminho de regimes de exceção. “Só regimes de exceção aceitaram acusações sem provas, movidos por preconceito, ódio, rancor ou interesses escusos. Lamento dizer que, hoje, o Brasil pode estar trilhando este caminho”.
Temer voltou a criticar o áudio de uma conversa entre ele e o empresário Joesley Batista, que deu origem à primeira denúncia, rejeitada pela Câmara no início de agosto, e destacou a prisão de Joesley, ocorrida este mês.
“Graças aos áudios que tentaram esconder, mas que vieram a público acidentalmente, sabe-se que, contra mim, armou-se conspiração de múltiplos propósitos. Conspiraram para deixar impunes os maiores criminosos confessos do Brasil, finalmente presos, porque sempre apontamos seus inúmeros delitos”. Joesley e Ricardo Saud, ambos executivos do grupo J&F, foram presos após a divulgação de um áudio de quatro horas de diálogo entre ambos que, de acordo com a PGR, aponta que eles omitiram informações durante o acordo de delação premiada.
O presidente também fez um apelo aos deputados, que vão começar a apreciar a segunda denúncia contra ele na próxima semana. “Tenho convicção absoluta de que a Câmara dos Deputados encerrará esses últimos episódios de uma triste página de nossa história, em que mentiras e inverdades induziram a mídia e as redes sociais nestes últimos dias. A incoerência e a falsidade foram armas do cotidiano para o extermínio de reputações”.
Mariz deixa a defesa de Temer
O advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira anunciou hoje a decisão de renunciar à defesa de Michel Temer nesta segunda denúncia. Foi Mariz quem conduziu a defesa de Temer na primeira denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República. O afastamento do advogado deve-se ao fato de ele ter defendido no passado o doleiro Lúcio Funaro, um dos delatores citados na nova denúncia, o que configuraria conflito ético.
A segunda denúncia contra Temer chegou à Câmara dos Deputados nesta sexta-feira (22), depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) ter rejeitado pedido da defesa do presidente para interromper a tramitação. Antes mesmo da decisão do STF, Mariz já havia comunicado a Temer que deixaria de defendê-lo caso a denúncia prosseguisse.