Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

O jornalista Chico Pinheiro, da Globo, enquadra o prefeito João Doria pela crueldade contra morador em situação de rua

 A ação da empresa de limpeza urbana municipal de São Paulo em lançar jatos de água gelada em moradores de rua na região da Sé, na manhã de quarta-feira 19, continua repercutindo mal.
Dessa vez, quem enquadrou o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), foi o apresentador do Bom Dia Brasil, da TV Globo, Chico Pinheiro.
Em seu perfil no Twitter, o jornalista escreveu indignado: "prefeito, como o senhor reagiria se alguém agisse assim contra alguém de sua família, esposa ou filhos, por exemplo? Inacreditável!". (Com  o 247)

O escritor Paulo Coelho diz que o povo paga a compra de deputados com imposto na gasolina

O escritor Paulo Coelho, brasileiro mais lido no mundo, disparou uma dura crítica ao varejo praticado por Michel Temer no Congresso, onde comprou, literalmente, o apoio de deputados, ao mesmo tempo em que aumentou o imposto de combustíveis para a população.
"Semana passada, Temer gastou uma fortuna em acordos com deputados que votariam contra sua cassação. Quem paga é o povo, claro", postou Paulo Coelho em seu Twitter.
Na Câmara, a fim de fazer com que fosse barrada sua denúncia por corrupção, Temer liberou R$ 15 bilhões em emendas parlamentares para que os deputados da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara (CCJ) votassem ao seu favor.
Com o gesto, o Planalto reverteu o resultado da votação no colegiado e fez com que o relatório do deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), que recomendava dar prosseguimento à denúncia da Procuradoria Geral da República, fosse rejeitado.
Nesta quinta-feira 20, Temer mais que dobrou os impostos incidentes sobre os combustíveis e ainda disse que a população compreenderia sua decisão: "este é um governo que não mente, que não dá dados falsos". (Com o 247)

O jornalista Xico Sá diz que quem xingou a Dilma teve retorno de até aumento de impostos

O jornalista Xico Sá ironizou nesta sexta-feira, 20, os milhares de brasileiros que foram às ruas protestar contra a corrupção e a situação econômica durante o governo da presidente deposta Dilma Rousseff. 
Em seu perfil no Twitter, Xico Sá usou o aumento de impostos nos combustíveis, executado por Michel Temer como exemplo. "O cipó de aroeira voltou no lombo de quem mandou dar. Tudo q gritaram contra a "vaca da Dilma" teve retorno. Pasme: até aumento de imposto", afirmou o jornalista. 
Nesta sexta, a Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) reinstalou o simbólico pato amarelo em seu prédio na avenida Paulista, em protesto contra o aumento da carga tributária realizado pelo governo Temer (Com o 247). 

Veja a Ficha criminal do deputado Silas Freire (PODE-PI) que quer impedir o ex-presidente Lula

Um dia após a condenação de Lula por Sergio Moro no caso triplex, o deputado Silar Freire, do Podemos, apresentou um projeto de lei para proibir que figuras públicas que tenham sido condenadas em tribunais superiores ou em colegiado de segunda instância emprestem o nome para homenagens póstumas. Isso significa que se o projeto passar e a condenação de Lula for confirmada, nem uma "rua sem saída" poderá ser batizada com seu nome. A informação é da coluna de Lauro Jardim, de quinta (20).
O deputado que apresentou o projeto para impedir o nome de "criminosos" em espaços públicos tem um histórico controverso.

Em 2014, quando ainda não era deputado, mas apresentador de uma TV no Piauí, Silas foi denunciado pelo Ministério Público por ter mandado matar um radialista em 2000 por "vingança". A ação penal chegou a ser aceita pela Justiça local, com projeção de pena de 12 a 30 anos para esse tipo de crime. Veja mais aqui.

No ano passado, ele chegou a ser suspenso pelo PR, seu antigo partido, mas por não ter fechado questão com a legenda e ajudado a aprovar a PEC do Teto dos gastos. Mais aqui.

Por Bruno Góes
O Globo
Lula é alvo de um projeto de lei que pode impedir homenagens póstumas à sua figura.
Sim, é isso mesmo. O deputado Silas Freire (PODE-PI) apresentou uma proposta que, caso seja aprovada, proíbe "a denominação de logradouros, obras, serviços e monumentos públicos, com nome de autoridades que tenham sido condenadas por ilícitos penais, civis ou administrativos em tribunais superiores ou colegiados de segunda instância".
Se Lula for condenado pelo TRF e a lei for aprovada, o ex-presidente não poderá batizar uma mísera rua sem saída com o seu nome. O projeto de lei foi apresentado à Câmara dos Deputados um dia depois da condenação do ex-presidente pelo juiz Sérgio Moro.




Do GGN

A jornalista da Globo Eliane Cantanhêde afirma que Michel Temer aumenta impostos e compra deputados


A colunista Eliane Cantanhêde, do Estado de S. Paulo, criticou nesta sexta-feira, 21, o aumento de impostos determinado por Michel Temer para tentar reduzir o déficit das contas públicas. 
Segundo Eliane, Temer e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, devem se preparar para a "rebordosa" a partir de agora. "A reação deve vir de três frentes: da oposição, da própria base aliada ao Planalto e da sociedade _ do chamado 'cidadão comum', e talvez principalmente, do setor produtivo, que não apenas sofre bastante com a crise como tem dado sustentação desde a primeira hora ao governo Temer. Tudo isso a treze dias da votação da denúncia de Janot contra Temer no plenário da Câmara", diz a colunista. 
A jornalista aponta outro fator que deve complicar ainda mais a vida de Temer após a escalada da carga tributária. "Além do peso negativo da expressão 'aumento de impostos', que dispensa apresentação mesmo para a camada da população com menor escolaridade, há um outro prato cheio para as críticas à medida: enquanto aumenta os impostos da maioria, o governo abre os cofres para agradar os deputados que vão decidir, em dois de agosto, o destino de Temer", afirmou. (Com o 247)

Presidente da Abimaq afirma que o Michel Temer fracassou

O presidente-executivo da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), José Velloso foi contundente ao criticar o aumento de impostos nos combustíveis executado por Michel Temer. Para Velloso, Temer fracassou no ajuste fiscal. 
"E o plano fracassou por culpa da própria equipe econômica, que insistiu no corte de gastos em meio à maior recessão da história do país e não se preocupou em criar mecanismos para a retomada do crescimento", disse. "Ao contrário. As ações foram todas no sentido de afugentar investimentos", afirmou Velloso ao jornal Valor Econômico. 
O líder empresarial afirmou que dos oito pontos de queda do PIB dos últimos três anos, "cinco foram causados pela falta de investimento", e criticou a lentidão do governo na redução da taxa de juros. Segundo ele, o juro real dobrou em meio à recessão, porque em 2015 o país teve perto de 10,5% de inflação e taxa Selic de 14,25% ao ano. Hoje, com a inflação em torno de 4%, a taxa básica caiu, mas está em 10,25%.
Por fim, o executivo da Abimaq criticou a falta de estímulos à exportação e a valorização do real, "que tira competitividade dos produtos brasileiros". Velloso disse não ser contra o ajuste fiscal, mas defende o aumento da arrecadação pela retomada da atividade.
O presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, também criticou a escalada de impostos do governo Michel Temer. "Ministro, aumentar imposto não vai resolver a crise; pelo contrário, irá agravá-la bem no momento em que a atividade econômica já dá sinais de retomada, com impactos positivos na arrecadação em junho. Aumento de imposto recai sobre a sociedade, que já está sufocada, com 14 milhões de desempregados, falta de crédito e sem condições gerais de consumo", disse Skaf em nota (leia mais). 
Do 247

Os brasileiros vão pagar a tentativa de sobrevivência de Michel Temer no poder com aumento de R$ 0,41 por litro de gasolina

Em nota divulgada nesta quinta-feira (20), os ministérios da Fazenda e do Planejamento informaram que a alíquota de PIS/Cofins que incide sobre a gasolina irá dobrar, passando dos atuais R$ 0,38 por litro para R$ 0,79 por litro. Assim, o litro da gasolina poderá ficar até R$ 0,41 mais caro nas bombas.
Já a taxa do PIS/Cofins, hoje zerada, será de R$ 0,19. A alíquota do óleo diesel passará de R$ 0,24 para R$ 0,46. Com o aumento da alíquota do PIS/Cofins sobre os combustíveis, o governo espera arrecadar R$ 10,4 bilhões em 2017. Além disso, o Ministério da Fazenda informou que vai bloquear mais R$ 5,9 bilhões em despesas do Orçamento.
O aumento de impostos e o bloqueio extra no orçamento ocorrem em um momento em que o governo enfrenta dificuldades em obter receitas. Com a dificuldade do governo em fazer a economia crescer, o governo enfrenta problemas na obtenção de receitas e procura novas formas de obter verbas para pagar as contas e compensar o déficit primário. (Com o 247)

Lula: "O Moro foi condescendente comigo porque ele me deixou a perua de 1982. Inclusive ela até foi roubada"

Em entrevista concedida ao programa Na Sala do Zé, do jornalista José Trajano, com a participação ainda de Juca Kfouri e Antero Grecco, o ex-presidente Lula comentou nesta quinta-feira 20 a decisão do juiz Sergio Moro que confiscou R$ 606 mil de suas contas bancárias, todos os imóveis e dois veículos.
"O Moro foi condescendente comigo porque ele me deixou a perua de 1982. Inclusive ela até foi roubada. Espero que eles achem ela", ironizou.
Na conversa, Lula disse também que quando chegou à presidência "tinha uma obsessão que era provar que poderia governar melhor que a elite que vinha sendo governo". "As pessoas não respeitam você pelo seu tamanho e sim pelo seu caráter. Ou tem ou não tem", afirmou.
Lula falou ainda sobre a política externa de seu governo: "Quando voltei de Davos pela primeira vez falei para o Celso Amorim [então ministro das Relações Exteriores]: nós vamos mudar a geopolítica desse negócio". "Lembro da minha primeira reunião no G8, todo mundo levantou quando o Bush chegou. Eu não. Pois ele foi lá e sentou na nossa mesa", acrescentou.
O petista disse estar "pensando em criar um grupo de trabalho para analisar os efeitos nefastos da reforma trabalhista no país". Questionado por que não fez uma reforma política em seu governo, o ex-presidente respondeu que os parlamentares não querem mudar o status quo e lembrou que "quem tem que fazer a reforma política não é o presidente, são os partidos, através de seus deputados".
Perguntado se "o PT errou", uma vez que Lula é hoje o candidato com maior rejeição, depois de ter deixado a presidência com mais de 80% de avaliação positiva, o ex-presidente afirmou que "o PT errou porque tinha nascido para mudar o jeito de fazer política", mas "não fez nada diferente do que já vinha sendo feito desde sempre na política". "Nosso erro não chega a 10% do que eles falam", disse.
"Acontece que eles querem acabar com o PT", acrescentou. "Truncaram a democracia e querem truncar a possibilidade de o PT voltar", denunciou. Ele destacou também que "ninguém nesse país, nem Prestes, sofreu o massacre que" ele sofre.
Ao falar sobre o governo Dilma, Lula criticou o programa de desonerações. "Faltou compreensão de que, independentemente das eleições, você deveria parar de desonerar", disse. Segundo o ex-presidente, Dilma "não percebeu que a água só estava saindo da caixa d´água, não estava entrando".
"Quando Dilma apresentou um orçamento negativo, eu me assustei. Porque eu jamais apresentaria um orçamento negativo", afirmou. Para Lula, "Dilma foi vítima do comportamento de que a política não estava no cotidiano dela". "Ela tinha dificuldade nessa relação político. Eu acho que às vezes ela achava que uma conversa era desnecessária", analisou.
Sobre um "sentimento de desesperança" na população, acentuado pelos jornalistas, Lula admitiu que o PT perdeu "parte de sua base". "Eu estou tomando tiro de escopeta todo dia", lembrou, em parte justificando sua rejeição.
Os jornalistas questionaram se não foi um erro insistir na reeleição de Dilma em 2014. Lula disse que, como não houve conversa com ela a esse respeito, ele entendeu que ela gostaria de sair candidata. "Era um direito legítimo dela, eu falei 'não vou mexer com isso'". Mas reconheceu: "Eu ganharia as eleições com muita facilidade em 2014".
Segundo Lula, sua disputa pela presidência contra o tucano José Serra em 2002 "foi civilizada". "Já com o Alckmin não foi. Parece que ele mamou até os 14 anos, empinou pipa na frente do ventilador. Fica bravo", relatou, sobre o governador paulista.
Questionado se não faltou diálogo entre ele e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para evitar o atual clima de tensão entre petistas e anti-petistas hoje no País, Lula lembrou de sua relação sempre civilizada com o tucano. Mas fez a seguinte análise: "Eu acho que o Fernando Henrique Cardoso, como um intelectual, não soube digerir o meu sucesso".
Ele revelou que houve uma tentativa de se marcar um encontro com o cacique tucano. "Nós não temos nada um contra o outro", destacou. Mas reclamo que, após terem escolhido uma casa para a conversa, "foi um intermediário lá e no dia seguinte estava na imprensa!". (Com o 247)

Saiba a classificação do Campeonato Brasileiro da Série B após a 15ª rodada



CLASSIFICAÇÃOPGJVEDGPGCSG%
Guarani27158341914560
Juventude271576221111060
América-MG2715762178960
CRB24157351514153
Internacional24156631711653
Londrina-PR23156542319451
Vila Nova-GO23156541815351
Ceará22156451814449
Santa Cruz-PE22156451816249
10°Paraná Clube20155551614244
11°Paysandu20155551312144
12°Boa Esporte Clube20155551416-244
13°Criciúma20155551416-244
14°Oeste20154831313044
15°Goiás17155281620-438
16°Brasil de Pelotas17155281726-938
17°Figueirense16154471821-336
18°Luverdense16153751720-336
19°ABC12153391222-1027
20°Náutico71514101024-1416