Slider

Opinião

Política

Notícias

Economia

Esporte

Cunhada de Michel Temer debocha do povo brasileiro enquanto ele coloca a polícia e o exército contra os caminhoneiros

Em meio à maior crise de abastecimento vivida pelo Brasil, causada pela greve dos caminhoneiros, em protestos contra a política de reajuste de preços dos combustíveis de Michel Temer e Pedro Parente, a irmã de Marcela Temer, Fernanda Tedeschi, debochou dos brasileiros nesta sexta-feira, 25. 
Em vídeo publicado em sua página no Instagram, Fernanda Tedeschi, mostra um marcador de combustível de carro com o tanque cheio. O vídeo, publicado no stories do Instagram de Fernanda, está legendado pela mensagem: "Ostentação".
A irmã de Marcela Temer não chegou a usar a rede social para informar ao público onde conseguiu abastecer o carro que aparece na gravação.
Em sua declaração, Temer afirmou que autorizou que as Forças Armadas fossem usadas contra a greve dos caminhoneiros e no controle da crise que já afeta todo o País. (Com o 247)
Leia também: 
Temer autoriza uso de forças federais para desbloquear rodovias
Agência Brasil - O governo federal autorizou o uso de forças federais de segurança para liberar as rodovias bloqueadas pelos caminhoneiros caso as estradas não sejam liberadas pelo movimento. O anúncio foi feito há pouco pelo presidente Michel Temer, em pronunciamento no Palácio do Planalto. A decisão foi tomada após reunião no Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que contou com a participação de ministros e do presidente.
"Quero anunciar um plano de segurança imeadiato para acionar as forças federais de segurança para desbloquear as estradas e estou solicitando aos governadores que façam o mesmo. Não vamos permitir que a população fique sem os gêneros de primeira necessidade, que os hospitais fiquem sem insumos para salvar vidas e crianças fiquem sem escolas. Quem bloqueia estradas de maneira radical será responsabilizado. O governo tem, como tem sempre, a coragem de dialogar; agora terá coragem de usar sua autoridade em defesa do povo brasileiro."
Ontem (24), os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Eduardo Guardia (Fazenda) e Carlos Marun (Secretaria de Governo) anunciaram acordo para suspensão dos protestos da categoria por 15 dias. Depois disso, as partes voltarão a se reunir.
Hoje (25), no entanto, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que ainda não registra desmobilização de pontos de manifestação de caminhoneiros nas rodovias do país.
Em seu pronunciamento, Temer disse que uma "minoria radical" está impedindo que muitos caminhoneiros cumpram o acordo e voltem a transportar mercadorias. O presidente enfatizou que o governo atendeu às principais demandas da categoria. "O acordo está assinado e cumpri-lo é naturalmente a melhor alternativa. O governo espera e confia que cada caminhoneiro cumpra seu papel."
O ministro Eliseu Padilha disse, também nesta sexta-feira, que o governo confia no cumprimento do acordo firmado ontem com as lideranças do movimento.
A decisão de suspender a paralisação não foi unânime. Das 11 entidades do setor de transporte, em sua maioria caminhoneiros, que participaram do encontro, duas delas, a União Nacional dos Caminhoneiros (Unicam) e a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), que representa 700 mil trabalhadores, recusaram a proposta.
Hoje a associação divulgou nota na qual afirma que, ao contrário de outras entidades, "que se dizem representantes da categoria, a Abcam, não trairá os caminhoneiros". "Continuaremos firmes com pedido inicial: isenção da alíquota PIS/Cofins sobre o diesel, publicada no Diário Oficial da União", diz o texto.

O jornalista Reinaldo Azevedo afirma que a direita no Brasil fez um trabalho de porco

O jornalista Reinaldo Azevedo diz que a direita caiu na armadilha da esquerda e será derrotada seja qual for o resultado das eleições. O colunista diz: “que trabalho porco fez isso a que chamam ‘direita brasileira’ quando se ajoelhou aos pés de mistificadores e virou as costas para o país!”.
“Ao se subordinar à agenda do “Partido da Polícia”, os ditos conservadores brasileiros —na maioria, ficou claro, um bando de reacionários destituídos de tudo: de eira, beira, livros e apreço pela democracia— não se deram conta de que estavam caindo na armadilha da esquerda.
Quando se juntaram ao “fora Temer” e aderiram ao golpismo liderado por Rodrigo Janot, permitiram que os esquerdistas fizessem tábula rasa de conquistas reais, efetivas, que tiraram o país do caos em que o petismo o havia jogado. Nota: cadê os “liberais” para declarar que Michel Temer e Pedro Parente fizeram o certo na Petrobras?
Leia mais aqui.

Ciro Gomes consegue reunir 24 partidos em apoio à candidatura à reeleição de Camilo Santana (PT) ao governo do Ceará

O ex-governador do Ceará e pré-candidato à Presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes, articula uma coligação inédita de 24 partidos no estado, seu reduto eleitoral, em torno da reeleição do governador Camilo Santana (PT), afilhado político do pedetista.
De acordo com reportagem do Estadão, a costura tem a ajuda do presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB), seu antigo desafeto político. O Ceará tem o oitavo maior colégio eleitoral do País, com 6,2 milhões de eleitores, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
O pedetista também teve ajuda do DEM, partido que tem o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), como pré-candidato ao Palácio do Planalto. Presidente estadual da legenda, o empresário Chiquinho Feitosa,fez reaproximação entre o grupo de Ciro e o PSD, que estavam rompidos oficialmente desde 2017.
“É uma reaproximação buscando ter uma relação como tínhamos no passado”, afirmou o líder do PSD na Câmara, Domingos Neto, que preside o partido no Ceará. (Com o 247)

O deputado Silvio Costa afirma acertadamente que o Brasil está sendo destruído pelos golpistas

Em pronunciamento na tribuna da Câmara, o vice-líder da oposição, Sílvio Costa (Avante), acusa os deputados que aprovaram o impeachment da presidente Dilma (PT) de terem dado "um golpe para destruir o país".
Sílvio ressaltou que destituíram a presidente Dilma sem ela ter cometido nenhum crime, mas sim criando um argumento falso ­– o das pedaladas fiscais, medida adotada por todos os governos – para justificar o golpe e colocar "uma quadrilha no poder".
As consequências do golpe de 2016, segundo Sílvio Costa, estão há dois anos amargurando o país e o povo brasileiro. Os escândalos sucessivos do presidente Michel Temer (MDB), o aumento do desemprego, a retirada dos direitos sociais, a ameaça à Previdência e, a amargura mais recente: os aumentos desenfreados dos combustíveis que agora levam o povo a reagir e decidir parar o país, cansado com a exploração do governo golpista. (Com o 247)
Assista ao pronunciamento: 


O caos se instala no Brasil sem governo

"A turma dos patos amarelos e das camisas da CBF queria tanto o Brasil de volta que eles conseguiram. Conseguiram quebrar e parar o país que já estava na banguela, passando vergonha há dois anos. No quarto dia de locaute dos caminhoneiros, o caos se alastra pelas cidades e nos campos, nos portos e aeroportos, nos supermercados e nas fábricas, nas filas de ônibus e nas estradas, por toda parte", avalia nesta quinta-feira, 24, o jornalista Ricardo Kotscho, sobre a greve que paralisa o País.
Kotscho destaca que vários estados já começaram a sofrer com o desabastecimento de alimentos perecíveis e falta  combustível nos postos e nas refinarias.
"Em lugar da trégua de três dias implorada por Temer, os líderes do movimento responderam com um ultimato. Nesta quinta-feira, José da Fonseca Lopes, presidente da Associação Brasileira de Caminhoneiros avisou que a paralisação só será suspensa se o Senado aprovar ainda hoje, até as 14 horas, o projeto que elimina a cobrança de PIS/Cofins até o final do ano. Para completar o cenário, as ações da Petrobras despencaram 14% nesta manhã. O que falta ainda?", questiona. 
Leia o texto na íntegra no Balaio do Kotscho.

Leonardo Stoppa afirma que o "Moro vem sendo pago pelos maiores inimigos de Lula" e é próximo do PSDB

O programa Léo ao Quadrado desta terça-feira (22) destacou as arbitrariedades do judiciário brasileiro que se intensificaram com o Estado de exceção. O apresentador Leonardo Stoppa destaca que o juiz Sérgio moro, por conta da sua proximidade com a alta cúpula do PSDB, não deveria julgar o ex-presidente. "Moro vem sendo pago pelos maiores inimigos de Lula", denuncia.
O ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo (PSDB-MG), acusado de envolvimento em esquemas de peculato e lavagem de dinheiro, pode ser preso a qualquer momento, pois todos os recursos para mantê-lo em liberdade foram esgotados. Na opinião de Stoppa, nada irá mudar. "Me recuso a debater antes dessa prisão efetivar-se, alguma coisa pode acontecer e ele não será preso. Eduardo Azeredo sabe de muita coisa, foi, inclusive, presidente do PSDB, não é simples colocar um figurão desses na cadeia, a menos que ele siga o exemplo do ex-deputado Eduardo Cunha(PMDB-RJ) e passe um tempo calado no cárcere", projeta. 
A defesa de Lula pediu que o Juiz Sérgio Moro seja afastado da ação penal referente ao sítio de Atibaia devido suas relações com o ex-prefeito de São Paulo, e pré-candidato a governador, João Doria Junior (PSDB-SP). A petição lembra os diversos eventos em que Moro esteve junto com Dória e como o tucano usou as relações com o juiz federal para fazer campanha.
Stoppa condena a parcialidade de Moro e diz que o juiz de primeira instância não deveria estar sob posse do processo do ex-presidente. "O interesse de condenar não é difícil de provar, Sérgio Moro vem sendo pago, ainda que indiretamente, pelos maiores inimigos de Lula, como, por exemplo, a Rede a globo que dá destaque ao juiz desde o início do processo. Esse tipo de relação não poderia ocorrer, mas no Estado de golpe que vivemos tudo é possível", denuncia. (Com o 247)

O ex-presidente Lula é o inimigo da direita no Brasil

As formas como a mídia trata, por exemplo, a mulher do Boulos, em comparação com a forma como faz com qualquer parente do Lula, ou a forma como exalta qualquer pessoa que teria deixado o PT para aderir ao Boulos ou ao Ciro, ou a forma amável de tratar a Manuela, bastariam para provar como o inimigo da direita, aquele de quem ela tem medo, é Lula e ninguém mais. E o PT, como o partido do Lula.
Todos se recordam como essa mídia tratava Heloísa Helena na campanha de 2006, quase como uma queridinha, que fazia alegremente o papel de centrar seus ataques no Lula e no PT. Como se encontrava espaços nos debates para a Luciana Genro e para o Plínio de Arruda Sampaio, não importava o índice que tivessem nas pesquisas, buscando que ajudassem na frente de ataque ao Lula e aos candidatos do PT e talvez tirassem alguns votos deles.
A extrema esquerda se prestou no Brasil, ao longo dos governos do PT, em troca de espaços na Globo e na Folha, a concentrar seus ataques no PT. Tem em comum o fato de que os governos do PT terem dado certo, era fatal para eles. Porque derrotava a direita e seus interesses, e desmentia a tese de que o PT tinha traído a esquerda e que o governo Lula ia fracassar.
Contra o PT, a mídia e o Judiciário, a direita no seu conjunto, usam tudo. Capas de revistas mentirosas, difamações, campanhas de desqualificação. Para os outros, capas simpáticas de revistas, espaços para que falem na mídia, fotos simpáticas. Sabem que os outros não lhes metem medo. São derrotados com facilidade. Não custa dar-lhes espaços, contanto que possam criticar o Lula e o PT ou, pelo menos podem tirar-lhes alguns votos.
Nisso a direita não se engana. Seu inimigo público é o Lula. Foi pelo Lula que eles perderam o governo, tiveram que amargar tanto tempo fora do governo, foram derrotados quatro vezes nas eleições presidenciais. Não perdoam o Lula. Tem que eliminá-lo da vida política, impedir até que ele exerça sua influência para organizar as forcas populares, para transferir sua influencia para outros candidatos. Tirar o Lula da jogada, o irredutível, com os outros a direita se vira, os derrota, os isola ainda mais, a alguns até pode coopta-lo.
Contra o Lula, tudo, até mesmo usar outros preá candidatos de esquerda, que aparecem como "arejados" (a nova expressão), renovadores, sem compromissos com a "velha esquerda", com seu estatismo, seu populismo, seu sindicalismo, com a luta de classes. Sem povo, portanto sem o risco de derrotar a direita. Sem a barba, sem os jargões, sem essa familiaridade com o povo, que causa ojeriza na direita.
Uma esquerda "civilizada", que conversa com todo mundo, sem preconceitos, sem clichês, que faz a auto critica que pedem, que faz a auto critica pelo PT, que sorri todo o tempo, que são genuinamente de classe media, que mora nos bairros de classe media, que cruza nos mesmos restaurantes.
O que não toleram é Lula. Com seu sorriso, seu jeito de ser, sua familiaridade com o povo, com seu carisma, com a imagem de grande líder nacional e internacional, com o sucesso do seu governo, com a memoria que o povo guarda de como sua vida melhorou tanto. Com os seus discursos envolventes, convincentes, cheios de humor e de emoção, com sua linguagem popular, com seu jeito irresistível de povo.
Com o Lula, nada, contra o Lula, tudo. Até prisão por crime que nunca cometeu. Vale tudo, porque o Lula é o inimigo fundamental da direita, aquele que a derrotou tantas vezes e a ameaça derrota-la de novo.
Dai os tratamentos diferenciados em relação ao Lula e ao seu partido, o PT, e aos outros, por mais radicalizada que possa ser sua linguagem. Lula diz e faz, disse e fez, tem a capacidade de mobilizar as forças para fazer e derrotar de novo a direita. Por isso Lula é perigosíssimo, precisa ser acusado, preso, impedido de se candidatar.
Lula sabe disso, sabe da sua responsabilidade e por isso não arrefece na sua luta. Sabe que é o único líder da esquerda com liderança de massas, com possibilidades de voltar a derrotar a direita. Porque se é o inimigo fundamental da direita é porque é o amigo fundamental do povo brasileiro. (Por Emir Sader, no 247)

Deputado espanhol afirma que a luta do ex-presidente Lula é a luta de qualquer democrata no mundo

Em sua conta no twitter, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann postou pronunciamento do deputado do Podemos, Pablo Bustinduy, durante seu discurso na Câmara dos Deputados na Espanha que falou acerca do avanço do neoliberalismo na América Latina por meio de golpes e falou sobre a situação de Lula como exemplo de resistência e luta em defesa da democracia no Brasil: "As posições que vocês defendem não são novas" dirigiu-se aos deputados conservadores.(Com o 247)
"São as mesmas que avalizaram o golpe na Venezuela em 2002 e depois o golpe em Honduras e depois o golpe no Paraguai. São as mesmas que avalizam hoje o golpe continuado no Brasil sem que vocês tenham dito absolutamente nada a respeito. Nós, sim, dizemos alto e claro: dizemos hoje, aqui, a Lula da Silva, que sua luta é a de qualquer democrata de todo o mundo. E que a democracia no Brasil vai abrir espaço porque já passou o tempo dos golpes de estado na América Latina. Nós, sim, dizemos alto e claro que estamos orgulhosos e agradecidos pelo esforço de mediação do presidente Zapatero e que qualquer solução da crise na Venezuela deve ser pacífica e passar pelo diálogo, pelo acordo e pela democracia".

Diretor do Vox Populi afirma que manter a candidatura do ex-presidente Lula é duplamente acertada

"Seguindo a orientação do ex-presidente Lula, o PT adotou uma estratégia para a eleição presidencial que tudo indica ser correta", escreve Marcos Coimbra, diretor do instituto de pesquisas Vox Populi em Carta Capital. "As reações nervosas da direita e daqueles que sonham se construir como candidatos sugerem que foi uma boa decisão. Manter a candidatura de Lula é duplamente acertado. De um lado, significa apostar na legalidade e ver aonde isso nos leva. De outro, demonstra o respeito que o PT e Lula têm por seu ativo fundamental, a vasta parcela da população que representam".
"Que pretextos inventarão para negar o registro da sua candidatura? Farão a mágica de recusar um requerimento antes que seja feito? Vão fabricar uma legislação específica para ele, negando-lhe direitos acessíveis a centenas de outros? Será Lula o primeiro candidato proibido de fazer campanha, depois de devidamente registrado e antes da decisão definitiva a respeito da postulação? E se acharem que não há alternativa, irão até o adiamento ou cancelamento das eleições?".
"Lula e o PT estão certos na estratégia por uma segunda razão: manter a candidatura do ex-presidente é o desejo do imenso contingente de eleitores que militam, se identificam ou simpatizam com o partido. As estimativas variam, mas ninguém duvida que falamos de mais de 30 milhões de cidadãos, talvez mais de 40 milhões".
"Elas querem votar em Lula, não concordam com as alegações que fazem contra ele, não consideram que haja prova das acusações, rejeitam a parcialidade da Justiça e avaliam que o processo, a condenação e a prisão foram políticas. São pessoas que não entenderiam se seu partido optasse agora por substituí-lo como candidato ou fugisse da disputa eleitoral, indo esconder-se em uma candidatura a vice-presidente". (Com o 247)

Ciro Gomes afirma acertadamente que o Bolsonaro é fascista e que armar a população levaria a um "banho de sangue"

O pré-candidato à Presidência da República Ciro Gomes (PDT) condenou a intervenção militar na área de segurança pública no Rio de Janeiro e criticou as propostas do também pré-candidato Jair Bolsonaro (PSL) de armar à população para conter a escalada da violência. "Qual é o país do mundo que enfrentou isso [violência] expandindo o armamento?", perguntou Ciro durante sabatina promovida pelo UOL, Folha de S. Paulo e SBT. "Quando um camarada promete distribuir armas é um banho de sangue", afirmou. Para ele, Bolsonaro (PSL) tem "soluções toscas e graves" no tocante à questão da segurança pública.
O trabalhista também destacou que Bolsonaro, "como fascista, tem dificuldade de lidar com o antagonismo" e que, caso ele seja eleito, a crise deverá se agravar, uma vez que Bolsonaro "nunca administrou um boteco dos pequenos". Para Ciro, Bolsonaro seria o candidato "mais fácil" de derrotar em um eventual segundo turno.
Ciro criticou, ainda, a intervenção militar no Rio ao dizer que a ação "não deu certo e nem pode dar". "O traficante moram em Ipanema, no Leblon, na Barra e usa ali [nas favelas e na periferia] meia dúzia de buchas de canhão". Ciro disse que apesar da presença das Forças Armadas fazerem a população se sentir "psicologicamente mais segura, "amanhã ou depois eles vão sair". "Portanto, ela [a intervenção militar] não é a solução".
Para ele, é preciso promover um "grande entendimento nacional" e "trocar a lógica do enfrentamento". Como propostas para a área, Ciro afirmou que pretende criar um "sistema de segurança pública" e uma Polícia Nacional de Fronteiras, desvinculada da Polícia Federal. (Com o 247)

Em Aparecida do Norte tem romaria e vigília por Lula livre

O ex-presidente Lula foi homenageado e alvo de orações em uma vigília realizada em Aparecida do Norte, interior de São Paulo, neste domingo 20. Com faixa "Lula Livre", bandeira do Brasil e roupa vermelha, a multidão pediu Justiça a Nossa Senhora. (Com o 247)
A vigília teve como foco a defesa da liberdade de Lula e da democracia no País. Assista parte da transmissão feita pelo Jornalistas Livres:

As atrizes Fernanda Motenegro e Fernanda Torres recusam fazer campanha para a Riachuelo

Da revista Fórum – A ideia da Riachuelo era contar com Fernanda Montenegro e Fernanda Torres para estrelar sua campanha do Dia das Mães. No entanto, segundo o colunista Lauro Jardim, de O Globo, as negociações até começaram, mas logo encontraram uma barreira: a pré-candidatura de Flávio Rocha, naquele momento ainda não oficializada. Mãe e filha foram categóricas: se o então presidente da Riachuelo fosse mesmo disputar a presidência da República, não iriam fazer a propaganda. No final, a agência Mutato gravou com as famílias de Isabeli Fontana e Ana Claudia Michels, entre outras.

A senadora Gleisi Hoffmann leva a governadores veto do ex-presidente Lula a qualquer aceno ao Ciro

A presidente do PT e senadora Gleisi Hoffmann visitou o ex-presidente Lula na Superintendência da Polícia Federal do Paraná nesta quinta-feira, dia 17, e saiu de lá com um recado claro para transmitir a todos os governadores do partido: Lula é o candidato do PT à presidência da república e não há plano B. O veto do aceno a Ciro nem é um pressuposto do recado, é um ‘posto’: Lula deu uma orientação clara a Gleisi que é recolher toda e qualquer declaração que não seja a determinada por ele – que luta não apenas pela candidatura, mas para comprovar sua inocência - e pelo partido.
“Logo depois da visita ao ex-presidente Lula em Curitiba nesta quinta (17), a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, ligou para os governadores do partido os convocando para uma reunião na próxima semana em Brasília. Lula pediu que Gleisi os reunisse para lhes dizer que ele é candidato ao Palácio do Planalto e que não existe plano B.
O encontro foi chamado depois que o governador Camilo Santana (PT-CE) defendeu que o PT apoie Ciro Gomes (PDT) na eleição de outubro. Há alguns dias, Rui Costa (PT-BA) também fez um gesto ao ex-ministro, descartando Lula.”
Leia mais aqui. (Com o 247)

O cantor e compositor Caetano Veloso convoca para o festival pela liberdade do ex-presidente Lula

Caetano Veloso é a estrela da convocação de um festival pela liberdade de Lula que acontecerá neste sábado na Plaza de Mayo em Buenos Aires. É a Lula Festiva: Latinoamerica en emergencia. A produção espera a presença de 50 mil pessoas na tradicional praça portenha.
Veja:
Estão confirmadas apresentações da cantora e atriz Juana Molina, os compositores de folclore Liliana Herrero e Juan Falu, a banda de "cúmbia ativista" Sudor Marika e diversas atrações surpresa, conforme a organização, que publicou evento na plataforma Facebook, esta semana.
À frente do evento estão a brasileira Mídia Ninja, Emergentes (ARG), Ni Una Menos (ARG), Media Red (URU), CTEP (ARG), CGT (ARG), CLACSO (LATAM), Proyecto Popular (ARG), La Poderosa (ARG), Revista Crisis (ARG), Centro Cultural de la Cooperación, Colectivo Passarinho (BRA), Nuevo Encuentro (ARG), ATE (ARG), CTA Autónoma (ARG), CTA de los trabajadores (ARG) junto con los aliados, Telartes (BOL), Proderechos (URU), Códigos Libres (VEN) y Cultura de Red (Latam).
Segundo comunicado das entidades organizadoras, "criamos redes de resistência além-fronteiras nacionais e recuperamos nossa identidade latino-americana e plural". O Lula Festiva também vai recordar e homenagear a vereadora brasileira Marielle Franco e a ativista ambiental hondurenha Berta Cáceres, ambas assassinadas por milícias de repressão devido a suas atividades de contestação. (Com o 247)

O ex-presidente Lula diz que não precisa de indulto porque ele é inocente

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que é mantido como preso político desde o dia 7 de abril na sede da Polícia Federal em Curitiba, rechaçou nesta quinta-feira, 17, a possibilidade de receber um indulto presidencial contra sua condenação pelo juiz Sérgio Moro. 
"Tem que dizer para as pessoas pararem de falar em indulto para mim. Eu não aceito indulto. Indulto é para culpado, eu não sou culpado, eu sou inocente e quero provar a minha inocência", disse o ex-presidente Lula à senadora Gleisi Hoffmann, durante visita que a presidente do PT fez a Lula junto com o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, coordenador do plano de governo da pré-candidatura de Lula. "Eu quero justiça no meu processo, eu quero sair daqui com Justiça", declarou Lula ainda.
A possibilidade de indulto a Lula foi criticada também pelo ex-ministro e presidenciável do PDT, Ciro Gomes. Em entrevista na Suécia nesta terça-feira, 15, Ciro classificou a ideia como "uma loucura". "Indulto é apenas para aqueles que já foram condenados em todas as instâncias. E Lula ainda está recorrendo da decisão que o condenou. Portanto, se eu disser que daria indulto a Lula caso for eleito, Lula poderia me mandar para a puta que pariu. Ou seja, ele teria uma reação adversa, e diria, 'Porque vai me indultar? Sou inocente'", disse Ciro.
Em entrevista coletiva, Gleisi disse que o ex-presidente comentou que a situação do PIB brasileiro é "injustificável". "Como justifica? Terem tirado a Dilma para deixar o País nessa situação? Vocês têm que ir à luta", destacou Lula a Gleisi. Nessa quarta-feira, 16, o Banco Central anunciou que o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), uma especie de prévia do PIB, fechou o primeiro trimestre com queda de 0,13% (Com o 247). 

As Bancadas do PT na Câmara e no Senado divulgam nota confirmando a candidatura do ex-presidente Lula

As Bancadas do PT na Câmara e no Senado divulgaram uma nota afirmando a unidade em defesa da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República.
De acordo com as bancadas, Lula "representa a oportunidade de o Brasil reencontrar o caminho da democracia, da inclusão social, do diálogo, da soberania nacional, do crescimento econômico e da geração de empregos, garantindo a construção de um País mais justo e solidário".
"Num momento em que o país se encontra atolado numa crise econômica, política e institucional sem precedentes, o ex-presidente é o nome com amplo apoio popular capaz de criar as condições para a superação da atual turbulência e garantir melhores dias para todos os brasileiros", diz o texto.
Segundo a nota, "as eleições de outubro só serão democráticas se todas as forças políticas puderem participar de forma livre e justa. Não podemos fazer concessões na luta em defesa da inocência e da manutenção dos direitos políticos de Lula". "Nesse cenário, a candidatura Lula se impõe ao partido e é a melhor alternativa à nação".
Brasília, 17 de maio de 2018
Lindbergh Farias (PT-RJ), líder do Partido no Senado Federal
Paulo Pimenta (PT-RS), líder do Partido na Câmara dos Deputados
SENADO:
Gleisi Hoffmann (PR), Fátima Bezerra (RN), Humberto Costa (PE), Jorge Viana (AC), José Pimentel (CE), Paulo Paim (RS), Paulo Rocha (PA) e Regina Sousa (PI).
CÂMARA:
Afonso Florence (MG), Ana Perugini (SP), Andres Sanchez (SP), Angelim (AC), Arlindo Chinaglia (SP), Assis Carvalho (PI), Benedita da Silva (RJ), Beto Faro (PA), Bohn Gass (RS), Caetano (BA), Carlos Zarattini (SP), Celso Pansera (RJ), Décio Lima (SC), Enio Verri (PR), Érika Kokay (DF), Gabriel Guimarães (MG), Helder Salomão (ES), Henrique Fontana (RS), João Daniel (SE), Jorge Solla (BA), José Airton (CE), José Guimarães (CE), José Mentor (SP), Josias Gomes (BA), Leo de Brito (AC), Leonardo Monteiro (MG), Luiz Couto (PB), Luiz Sérgio (RJ), Luizianne Lins (CE), Marco Maia (RS), Marcon (RS), Margarida Salomão (MG), Maria do Rosário (RS), Miguel Corrêa (MG), Nelson Pellegrino (BA), Nilto Tatto (SP), Odair Cunha (MG), Padre João (MG), Patrus Ananias (MG), Paulão (AL), Paulo Teixeira (SP), Pedro Uczai (SC), Pepe Vargas (RS), Reginaldo Lopes (MG), Rejane Dias (PI), Rubens Otoni (GO), Ságuas Moraes (MT), Sibá Machado (AC), Valmir Assunção (BA), Valmir Prascidelli (SP), Vander Loubet (MS), Vicente Cândido (SP), Vicentinho (SP), Wadih Damous (RJ), Waldenor Pereira (BA), Zé Carlos (MA), Zé Geraldo (PA), Zeca Dirceu (PR) e Zeca do PT (MS).

O governador do Ceará pelo PT, Camilo Santana, defendeu o apoio do partido à candidatura do Ciro Gomes

O governador do Ceará pelo PT, Camilo Santana, disse ter a convicção de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não conseguirá disputar a Presidência nas eleições deste ano. Santana defendeu que seu partido apoie a candidatura presidencial do ex-ministro Ciro Gomes (PDT), seu padrinho político, e indique o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) como vice. Segundo ele, o PT “não pode apostar no isolamento suicida”.
Santana diz que o desejo do povo brasileiro é ver Lula presidente, mas pondera que desejar é uma coisa e realizar é outra. Ele diz não acreditar que deixarão Lula ser candidato, sem entrar no mérito se essa não permissão é lícita ou não. O governador do Ceará se pergunta: até quando vamos prorrogar essa agonia?
Leia trechos da entrevista que Camilo Santana concedeu ao jornalista Igor Gadelha do jornal O Estado de S. Paulo:
“Respeito a posição do partido. Sempre tenho colocado que Lula é vítima de uma grande injustiça, mas acho que o momento não é de radicalismo. Sei que o desejo de todos nós era o Lula poder ser candidato. Mas entre querer que ele seja candidato e a realidade atual existe uma ponte muito grande.
“Parto do princípio de que o PT, sem dúvida nenhuma, é hoje o maior partido deste País. Agora, não acredito que vão deixar o Lula ser candidato. Isso é um fato. Não adianta a gente se enganar. Acho que ele poderá contribuir muito nesse processo eleitoral, mas não como candidato. Não permitirão isso. E penso que o Ciro é hoje, sem dúvida nenhuma, o principal nome para unir as esquerdas e garantir as conquistas sociais alcançadas durante os 12 anos do PT no poder. Ciro sempre foi um aliado fiel. Negar isso acho que seria injusto. Acho que o PT tem uma grande oportunidade de fazer esse debate. Não podemos nos isolar. O momento é de união, não de isolamento. O momento não é de radicalismos, isso não vai levar a nada. O momento é de reflexão, serenidade, desprendimento. Acho que quem pensa de verdade no partido, na sua história de luta, de conquista, não pode apostar no isolamento suicida.” (Com o 247)
Leia mais aqui.

Cada vez mais o Sergio Moro tem mostrado que ele atua a favor do PSDB

O PSDB é um partido de sorte. Tem um ministro do STF para chamar de seu, Gilmar Mendes, especialistas em habeas corpus para tucanos -o último foi o super operador Paulo Preto. E tem Sérgio Moro. Depois de festejar o sucesso do golpe de Estado com Aécio Neves numa festa em dezembro de 2016, ontem e hoje (16) foi a vez das poses ao lado de João Doria, todo sorridente, envergando um smoking apropriado para este tipo de encontro de milionários.
O juiz viajou a Nova York para duas solenidades. Recebeu ontem o prêmio de "Personalidade do Ano" da Câmara de Comércio Brasil-EUA, um dos caça-níqueis (ou caça-milhões) mais manjados do mercado. Hoje, Moro será uma das estrelas de um evento do Lide, uma organização de João Doria voltada para lobbies de todo tipo e aproximação entre empresários, banqueiros e políticos -o tema são sempre negócios, ou "business", como prefere o ex-prefeito de São Paulo, agora candidato a governador e aspirante a candidato a presidente, de olho na vaga de Alckmin como as aves de rapina ao sobrevoarem carniça.
No evento de Doria, Moro será a estrela ao lado do inacreditável Carlos Marun, ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, o "pit bull" de Temer e que se tornou nacionalmente conhecido por defender Eduardo Cunha de maneira agressiva e com expressões vulgares dirigidas aos adversários. O encontro do Lide é como uma peça de ficção, com o título de "A Retomada do Crescimento no Brasil" -num país cuja economia está em crise profunda. A palestra de Moro é puro nonsense: "Fortalecimento das instituições para o crescimento do Brasil” -num país cujas instituições estão em frangalhos depois do golpe de Estado que teve participação expressiva do juiz da Lava Jato.
Numa entrevista recente, Moro chegou a dizer-se "arrependido" da foto ao lado de Aécio. Mas repete a dose agora, com Doria.  A performance de Moro incomodou até os arautos do golpe. O colunista Josias de Souza, do UOL, um dos mais estridentes jornalistas da linha de frente da direita, reclamou: "Espera-se de um juiz que tenha um comportamento recatado. Se Moro foi sincero ao expressar o arrependimento que a foto com Aécio lhe causou, as imagens com Doria constituem indício de que, para o magistrado, é errando que se aprende... A errar."
Ao receber o prêmio da Câmara de Comércio, ontem à noite, Moro encenou humildade e recato: "Quando recebi o convite, pensei se deveria aceitar. Não sei se um juiz deve chamar este tipo de atenção. Judiciário e juízes devem atuar com modéstia, de maneira cuidadosa e humilde". Na platéia, cerca de mil pessoas, entre empresários, banqueiros, lobistas... e tucanos.  Cada mesa "vip" do evento, próxima à mesa do homenageado, custou a bagatela de 26 mil dólares. Foram arrematadas pelos bancos brasileiros de varejo e outras grandes empresas favorecidas pelo golpe de 2016.
Na viagem estrelada do casal Moro, entretanto, não há nada da "modéstia" e "maneira humilde" anunciadas pelo juiz no discurso. Moro está hospedado num dos hotéis mais caros de Nova York, o The Pierre. Uma diária não sai por menos de R$ 3 mil. Ele e a mulher viajaram à cidade de classe executiva, a um preço aproximado de R$ 4.500,00 per capita. Isso sem contar almoços, jantares, compras. Uma "esticada" que não custa menos que 20 ou 30 mil reais. Ora, o salário bruto de um juiz é de R$ 33.763,00, sem os descontos de Imposto de Renda e Previdência Social. Sabe-se que Moro, por conta do "bolsa juiz" (auxílio moradia mesmo tendo apartamento próprio em Curitiba, vale refeição e outros benefícios), juiz teve salário bruto médio de R$ 45.056,49 em quase todos os meses de 2017, levando para casa, líquidos, ao redor de 30 mil reais (leia aqui).
Salário de 30 mil reais líquidos, viagem a Nova York equivalente a um mês de salário... O que suscita uma pergunta: quem arcou com os custos da viagem do casal Moro? (Com o 247)

Cada vez mais o Sergio Mora demonstra que ele atua a favor do PSDB

O PSDB é um partido de sorte. Tem um ministro do STF para chamar de seu, Gilmar Mendes, especialistas em habeas corpus para tucanos -o último foi o super operador Paulo Preto. E tem Sérgio Moro. Depois de festejar o sucesso do golpe de Estado com Aécio Neves numa festa em dezembro de 2016, ontem e hoje (16) foi a vez das poses ao lado de João Doria, todo sorridente, envergando um smoking apropriado para este tipo de encontro de milionários.
O juiz viajou a Nova York para duas solenidades. Recebeu ontem o prêmio de "Personalidade do Ano" da Câmara de Comércio Brasil-EUA, um dos caça-níqueis (ou caça-milhões) mais manjados do mercado. Hoje, Moro será uma das estrelas de um evento do Lide, uma organização de João Doria voltada para lobbies de todo tipo e aproximação entre empresários, banqueiros e políticos -o tema são sempre negócios, ou "business", como prefere o ex-prefeito de São Paulo, agora candidato a governador e aspirante a candidato a presidente, de olho na vaga de Alckmin como as aves de rapina ao sobrevoarem carniça.
No evento de Doria, Moro será a estrela ao lado do inacreditável Carlos Marun, ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, o "pit bull" de Temer e que se tornou nacionalmente conhecido por defender Eduardo Cunha de maneira agressiva e com expressões vulgares dirigidas aos adversários. O encontro do Lide é como uma peça de ficção, com o título de "A Retomada do Crescimento no Brasil" -num país cuja economia está em crise profunda. A palestra de Moro é puro nonsense: "Fortalecimento das instituições para o crescimento do Brasil” -num país cujas instituições estão em frangalhos depois do golpe de Estado que teve participação expressiva do juiz da Lava Jato.
Numa entrevista recente, Moro chegou a dizer-se "arrependido" da foto ao lado de Aécio. Mas repete a dose agora, com Doria.  A performance de Moro incomodou até os arautos do golpe. O colunista Josias de Souza, do UOL, um dos mais estridentes jornalistas da linha de frente da direita, reclamou: "Espera-se de um juiz que tenha um comportamento recatado. Se Moro foi sincero ao expressar o arrependimento que a foto com Aécio lhe causou, as imagens com Doria constituem indício de que, para o magistrado, é errando que se aprende... A errar."
Ao receber o prêmio da Câmara de Comércio, ontem à noite, Moro encenou humildade e recato: "Quando recebi o convite, pensei se deveria aceitar. Não sei se um juiz deve chamar este tipo de atenção. Judiciário e juízes devem atuar com modéstia, de maneira cuidadosa e humilde". Na platéia, cerca de mil pessoas, entre empresários, banqueiros, lobistas... e tucanos.  Cada mesa "vip" do evento, próxima à mesa do homenageado, custou a bagatela de 26 mil dólares. Foram arrematadas pelos bancos brasileiros de varejo e outras grandes empresas favorecidas pelo golpe de 2016.
Na viagem estrelada do casal Moro, entretanto, não há nada da "modéstia" e "maneira humilde" anunciadas pelo juiz no discurso. Moro está hospedado num dos hotéis mais caros de Nova York, o The Pierre. Uma diária não sai por menos de R$ 3 mil. Ele e a mulher viajaram à cidade de classe executiva, a um preço aproximado de R$ 4.500,00 per capita. Isso sem contar almoços, jantares, compras. Uma "esticada" que não custa menos que 20 ou 30 mil reais. Ora, o salário bruto de um juiz é de R$ 33.763,00, sem os descontos de Imposto de Renda e Previdência Social. Sabe-se que Moro, por conta do "bolsa juiz" (auxílio moradia mesmo tendo apartamento próprio em Curitiba, vale refeição e outros benefícios), juiz teve salário bruto médio de R$ 45.056,49 em quase todos os meses de 2017, levando para casa, líquidos, ao redor de 30 mil reais (leia aqui).
Salário de 30 mil reais líquidos, viagem a Nova York equivalente a um mês de salário... O que suscita uma pergunta: quem arcou com os custos da viagem do casal Moro? (Com o 247)

Economista e poeta, não é o Francisco Castro, faz uma homenagem ao ex-presidente Lula em forma de poesia

O economista, poeta e escritor José Carlos Peliano, de Brasília, acaba de homenagear Lula com uma poesia intitulada "A conta do povo". (Com o 247)

Leia:

Conta não há que dê o resultado
de frente para trás, de volta à frente
de cima abaixo ou na troca de lado
de jeito nenhum vai dar diferente

matemática, mas que vem da gente
ela nasce sem regra ou postulado
segue vida afora e é evidente
conta sem conta só vale o olhado

quando o quatro não é quatro mas cinco
sem crendice, ilusão, engano ou perda
todos sabem somente um quem regula

é um homem que luta com afinco
os quatro dedos lá na mão esquerda
dão cinco e milhões de votos só Lula